Pular para o conteúdo principal

A Angústia… a Dor da Morte!

VALE A PENA REFLETIR...




É comum confundir a Angústia com a Tristeza, mas, na verdade, a Angústia é apenas a sensação que sentimos quando estamos tristes.
Ficamos tristes quando vivemos experiências que colidem com os nossos valores e interesses; estamos angustiados quando sentimos o nosso corpo caído sobre si próprio e ficamos sem capacidade de nos erguermos, ficamos com dificuldade em respirar e em pensar, com dor no peito…
mulher em angustia aninhada e mãos na caraSempre que estamos tristes, sentimos a Angústia. Quando mais tristes estamos, mais Angústia sentimos. Nos casos extremos de Tristeza, a Angústia sentida também é extrema e a dor da morte aproxima-se. A dor da morte é uma pressão física tão forte que nos obriga a um pensamento de libertação: o suicídio. Aqui, o pensamento sobre o suicídio é uma forma de libertação inconsciente, pois a dor é tão forte e interior, que nos “suga” a alma e só um pensamento nos ocorre: a fuga… sair do corpo que se afunda…

Mas… o que é mesmo a Angústia?

A Angústia é um estado físico provocado principalmente pela libertação de uma hormona: a Noradrenalina. Esta tem a capacidade de vasoconstrição, ou seja, reduz o fluxo sanguíneo nos órgãos vitais, diminuindo a abertura dos vasos sanguíneos. Quando este fenómeno físico acontece, há menos circulação sanguínea e mais pressão, os pulmões recebem menos sangue e diminuem o ritmo respiratório, o cérebro recebe menos oxigénio e diminui as suas funções. São estes efeitos físicos que produzem a sensação de Angústia.
Assim, sempre que percebemos, imaginamos ou vivemos uma experiência que nos deixa tristes, o nosso cérebro provoca a libertação da hormona Noradrenalina, produzindo um estado físico que nos permite criar um estado introspetivo. Num estado introspetivo, ficamos sem capacidade de responder à maior parte dos estímulos diários e concentramo-nos apenas nas emoções, nas experiências que nos perturbam, na tentativa de nos dissociarmos delas.

Quando é que saímos desse estado introspetivo, desse estado de Tristeza e Angústia?

Saímos desse estado quando nos conseguimos dissociar e libertar dessas emoções que nos perturbaram no passado, e que ainda nos perturbam.

É possível sentirmos Angústia sem estarmos tristes?

Sim. Falaremos do fenómeno perturbador do Distúrbio Cíclico da Angústia noutros comentários.
Saiba mais sobre Depressão e o Modelo Psicoterapêutico HBM.
Texto de Pedro Brás © Clínica da Mente 2014
Instagram siga no Instagram

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia dos namorados sozinho?

Ah, é claro que eu fico triste, talvez até mais do que deveria ficar, porque se eu pensar nas experiências do passado, eu estou bem até. Mas sabe, tem certas horas que eu sinto vontade de ter alguém e não estou dizendo isso só porque é o dia dos namorados e eu não tenho alguém.  Eu estou dizendo isso, porque faz bem viver a dois, ter alguém para um abraço quente, um beijo demorado, um boa noite e um bom dia querendo saber se eu dormi bem.  Chega uma hora que perde a graça sair, conhecer alguém e ver que ali você não pode depositar expectativas porque depois de três ou quatro palavras, você percebe que mais vazia do que a sua vida sentimental, é a cabeça dessas pessoas quem vão para a noite só querendo preencher a sua cota de beijar quem puder.  Chega uma hora que você se olha no espelho e se pergunta: será que não chegou a hora de me permitir e conhecer alguém legal? Que tire esse medo que ficou estacionado em mim, achando que todo mundo vai ser como a minha última péssima experiência?  A…

BORA DESABAFAR...

Em frente a tantas coisas que a vida vai nos levando a viver, chegam determinados momentos que é quase que impossível continuar... sentimos como se o mundo fosse tirado do nosso chão e com isso obrigados a caminhar mesmo sem ter forças e/ou querer... Este ano tenho experimentado viver o silêncio diante das inúmeras situações que têm se apresentado em minha vida, aos inúmeros problemas e dificuldades e as coisas que se encontravam ocultas tem se tornado claras...  Talvez tudo isso seja eu enxergando a vida com um olhar maduro, onde posso limitar-me a apenas observar, rezar e, acima de tudo, SILENCIAR... Hoje tive um momento com Deus e nesse meu momento com Ele exigi, que Ele me fosse sincero e claro, que tudo que ainda se encontrasse oculto que eu precisasse saber que se pusesse às claras... Trinta minutos após meu diálogo com Deus, recebo sem muito esforço o que precisava saber... e isso já era algo que vem há dias... apenas pude perceber que só Deus é sincero com a gente, que expõe o que…
O passado me ensinou que as pessoas não somem, perdem o interesse. 
O passado me ensinou a não acreditar em um “Estou com saudade” se não vier acompanhado de um “Como faço para te ver?”. 
O passado me ensinou a não me preocupar com coisas que só o tempo pode resolver. 
O passado me ensinou que não tem como um relacionamento dar certo se o orgulho for maior que o próprio sentimento.


siga no Instagram