Pular para o conteúdo principal

O abandono afetivo...

Abandono afetivo não é por você não amar, é por não cuidar, não proteger, não lembrar...

Poderia ficar dias e dias aqui tentando explicar o que seria um abandono afetivo, pois a maioria de nós humanos tememos esse abandono, de ser rejeitado pelas pessoas que se gosta, que se ama... 
Penso que um dos sentimentos mais difíceis de serem superados seja a dor do abandono, da rejeição, da perda, que para muitas pessoas começa logo cedo.
E isso não é somente referente a abandono familiar ao nascer, existem abandonos com pai e mãe presentes, onde muitas vezes a "criança" não é escutada, aceita... nao vivenciando sua autenticidade e seus sentimentos. 
Não precisa ser órfão para possuir esses sentimentos, na minha opinião são mais intensos, pois você sente falta de algo que poderia estar ali, que pode gerar futuramente complexos: ausência de valor próprio, sensação de culpa, depressão etc.
Há pessoas que, com isso, desenvolve a síndrome do aniversário que revive o trauma de infância nesse dia, trauma de abandono, evitando qualquer tipo de comemoração...
Eu creio que agora tenho identificado minhas neuroses, a gente vai amadurecendo e percebendo nossas limitações e com isso nossos problemas interiores, nunca entendia o motivo de não gostar e a dificuldade afetiva que desenvolvo constantemente.
Percebo que para lidar com isso precisamos ter consciência de todo processo e dos sentimentos que eles geram, e falar deles é um dos meios, apesar que não tenho essa facilidade.
Aceitando essa realidade e encarando as carências, para que sejam supridas de modo equilibrado. 
Essa tem sido uma luta, constante e diária, para evitar o apego, transformando a dor do abandono para que haja uma espera autêntica do amor...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia dos namorados sozinho?

Ah, é claro que eu fico triste, talvez até mais do que deveria ficar, porque se eu pensar nas experiências do passado, eu estou bem até. Mas sabe, tem certas horas que eu sinto vontade de ter alguém e não estou dizendo isso só porque é o dia dos namorados e eu não tenho alguém.  Eu estou dizendo isso, porque faz bem viver a dois, ter alguém para um abraço quente, um beijo demorado, um boa noite e um bom dia querendo saber se eu dormi bem.  Chega uma hora que perde a graça sair, conhecer alguém e ver que ali você não pode depositar expectativas porque depois de três ou quatro palavras, você percebe que mais vazia do que a sua vida sentimental, é a cabeça dessas pessoas quem vão para a noite só querendo preencher a sua cota de beijar quem puder.  Chega uma hora que você se olha no espelho e se pergunta: será que não chegou a hora de me permitir e conhecer alguém legal? Que tire esse medo que ficou estacionado em mim, achando que todo mundo vai ser como a minha última péssima experiência?  A…

BORA DESABAFAR...

Em frente a tantas coisas que a vida vai nos levando a viver, chegam determinados momentos que é quase que impossível continuar... sentimos como se o mundo fosse tirado do nosso chão e com isso obrigados a caminhar mesmo sem ter forças e/ou querer... Este ano tenho experimentado viver o silêncio diante das inúmeras situações que têm se apresentado em minha vida, aos inúmeros problemas e dificuldades e as coisas que se encontravam ocultas tem se tornado claras...  Talvez tudo isso seja eu enxergando a vida com um olhar maduro, onde posso limitar-me a apenas observar, rezar e, acima de tudo, SILENCIAR... Hoje tive um momento com Deus e nesse meu momento com Ele exigi, que Ele me fosse sincero e claro, que tudo que ainda se encontrasse oculto que eu precisasse saber que se pusesse às claras... Trinta minutos após meu diálogo com Deus, recebo sem muito esforço o que precisava saber... e isso já era algo que vem há dias... apenas pude perceber que só Deus é sincero com a gente, que expõe o que…
O passado me ensinou que as pessoas não somem, perdem o interesse. 
O passado me ensinou a não acreditar em um “Estou com saudade” se não vier acompanhado de um “Como faço para te ver?”. 
O passado me ensinou a não me preocupar com coisas que só o tempo pode resolver. 
O passado me ensinou que não tem como um relacionamento dar certo se o orgulho for maior que o próprio sentimento.


siga no Instagram