quinta-feira, 19 de novembro de 2015

E o medo de morrer?

Um dos medos mais comuns do ser humano, creio eu, que seja o medo de morrer, a maioria das pessoas que conheço sempre falam que o medo de morrer é um grande empecilho na vida, todos temos, todos o enfrentamos, e muitas vezes nao queremos encara-lo nunca...
Eu não fui diferente, desde que me entendo por gente sempre tive medo de morrer e da morte, além de nojo de morto, (isso mesmo, tenho nojo), não ponho a mao em morto, nao bebo agua em velorio, cafe, bolacha nem água... a fome e a sede somem... 
Mas, voltando ao assunto, #focanoassunto, sempre tive receio até mesmo de falar em morte, pensar em um dia em morrer...
Passei por tres vezes a experiencia da perda mais profunda (nome dado pelos psicologos para morte), aos 14 anos perdi meu pai, depois aos 23 perdi meu irmão, e aos 29 perdi minha avó. Foram três situações super distintas, mas que marcaram os momentos de minha vida.
Apesar de ter medo da morte, um sentimento que sempre sondou meu coração foi o desejo de morrer, pois é, já pensei inúmeras vezes em como seria muito mais fácil a vida se morresse, meus momentos de crise profunda de depressão, já me levaram a querer e tentar fazer besteiras... Mas nunca a ponto de concretização dessas vontades.
Com o tempo, fui percebendo que nao adianta muito querer, as coisas têm que acontecerem como devem acontecer, meio que me resignei com a vida, devido à constante solidão que sempre vivi... Os dilemas... As dúvidas... etc...
Estes últimos dias tenho vivido situações muito difíceis, que tem me tirado do prumo... e me feito pensar muito na vida... questionar e até perder a concentração... devido estar sobrecarregado de coisas... e com isso vamos descobrindo coisas... percebendo mudanças e transformações que a vida vai nos impondo, sem ao menos percebermos.
O que me levou a escrever este post, foram dois fatos que me ocorreram segunda (16/11/15), quase morri, literalmente falando...
passei por duas situações de incidentes que por pouco, mas muito pouco nao vim a óbito... de manhã quando estava indo à dentista ao atravessar a avenida principal um carro veio em disparada, quase me pegou, por segundos, senti o vento, cheiro etc passando por mim... o engraçado que nao tive aquela sensação de adrenalina em alta, coraçao disparado... foi como se nada tivesse acontecido... fiquei espantado comigo mesmo. No periodo da tarde indo embora pra casa do serviço chovendo e eu tapando a cabeça da chuva com guarda-chuva e em um cruzamento o guarda chuva tampou a visao de um lado meu, e quando dei por mim um ônibus de trabalhadores estava a menos de um palmo em cima de mim so deu tempo de dar um pulo pro lado e andar um pouco acelerado, sem nada dizer, por um instante de segundo, nao passei pro outro lado, meio que parando o bus no peito... nao daria muito certo!! quando o motorista buzinou ele ja estava em cima de mim...
Foi uma cena super rápida, e nao tive aquelas reaçoes de medo da morte, de adrenalina, de susto, muito pelo contrario, foi algo aterrorizantemente calma, sai andando sem nem olhar pra tras como se nada tivesse acontecido, como se aquilo fosse a coisa mais normal da face da terra de acontecer, foi ai que percebi que em nem um dos momentos eu senti medo, nao passou se quer uma sombra de medo de morrer, como se estivesse pronto pra morrer.
Foi ai que comecei a me sondar e a perceber que nao tenho mais medo de morrer, percebendo que nada me prende a esse mundo, nao tenho filhos pra criar e desenvolver, familia etc. é como se eu esteja a espera da morte apenas, sem muito  o que esperar da minha situaçao de vida.
Nao tenho por que ter medo de morrer, foi ai que caiu a ficha... que ja nao preciso ter medo de morrer, pois a morte seria um ponto final em todo meu sofrimento...
Foi ai que percebi que a morte seria mais um instrumento de libertação, de alívio talvez, nao sabemos ao certo o que realmente acontece depois, há inúmeras teorias, mas nem uma verdade comprovada... Mas uma coisa é fato, é um desligamento desse plano, das pessoas, dos momentos, das dores, dos sofrimentos...
Ai me vem aquela pergunta: Seria ruim desejar sua propria morte, visto que as expectativas de vida foram agua abaixo?? Alguns dizem, tentando justificar, que há pessoas com problemas maiores e piores que o meu, e lutam pra viver, pra continuar... A diferença entre eu e tais pessoas se resume no sentido que a vida lhe deu e lhe dará, se resume na necessidade de querer continuar o que ainda nao se terminou... Pra mim nao tem como continuar algo que nunca começou de verdade... as vezes outros pensam ser drama alem da medida, mas nao imaginam o que se passa dentro de um coraçao frutrado com a vida, com as imposiçoes que a mesma lhe propoe sem escolha... as inumeras situaçoes que nos sao jogadas na cara, postas no caminho que so tendem a tornar a vida...
Custei escrever esse aartigo, pois é muito dificil pra mim reconhecer me falho, incapaz, fraco etc para os outros e esse escrito me aponta um ser muito frágil, muito machucado, encarando uma realidade irreal para muitos, mas uma realidade que algumas pessoas passam... Aprendi ao longo de toda minha vida, mediante a toda dor e sofrimento vivenciado que depois de uma dor/sofrimento temos que estar prontos pra outro pior, se conseguimos passar por tal, é sinal que estamos forjados para subir um grau.
As vezes sinto inveja das pessoas que tem a vida fácil, se é que existe, ou que demonstra fortaleza perante todas as dores e encontra a felicidade no viver, no sofrimento e na dor...

Percebo que o medo virou uma vontade, talvez uma necessidade interna...
Subiu a montanha, agora está na hora de descer...


Nenhum comentário: