Pular para o conteúdo principal

Solitário...

Já se tem alguns anos que a minha qualidade maior é o fato de ser solitário, por mais que muitas vezes esteja rodeado de muitas pessoas, ou em ambientes repletos de gente, no fundo do meu coração ainda ha uma grande solidão, 
Algumas pessoas acham que ser solitário é uma escolha, opção de vida, mas eu que vivo isso constantemente sei que não é bem assim. 

Tento entender em como eu cheguei a isso, a não estar com muitos, não ser de muitos, apesar de conhecer muita gente, e muitas vezes estar com muita gente, dentro de mim, a solidão é uma constância que nos leva a uma eterna oscilação de melancolia e tristeza, pois não sabemos, eu ao menos não sei, lidar muito bem com isso.

Às vezes penso que os sofrimentos que a vida me presenteou trouxe junto essa característica de ser solitário. 

Um texto de reflexão:
"Apesar que sofrer dignifica, faz crescer... Mas sofrer em excesso leva ao desespero, à dor incontrolável. Portanto, pensar é preciso, mas ponderar os pensamentos é obrigatório. Quem pensa de mais, vive de menos. “Penso que sou o homem mais solitário do mundo.” Quem pensa, se dá conta de que muita coisa na vida não tem sentido nenhum e pensar mais e mais pode só aumentar a agonia. É por esse motivo que os solitários que andam por aí muitas vezes são vistos como pessoas amarguradas e estranhas. Na verdade, encarar as verdades da vida torna esses indivíduos mais críticos, pois continuam numa busca incessante por respostas que podem nunca alcançar. Dessa forma, se isolam da maioria por se sentirem completamente incompreendidos e desencaixados num mundo onde parece que ninguém os acompanha. O equilíbrio é essencial. Ser um solitário constantemente pode gerar muito sofrimento – como pode ser percebido no romance –, mas ser incapaz de ter um momento solo é um erro muito comum hoje em dia e que passa despercebido".  (http://lounge.obviousmag.org/recanto_da_desconstrucao/2014/10/por-que-pensar-te-torna-um-ser-mais-solitario.html#ixzz3koN4HUTM)
Algumas pessoas se incomodam com o nosso ser solitário, como se o estar na solidão fosse alguma escolha nossa, ou as vezes até um doença, mas na verdade acontece sozinho, ao menos comigo foi, quando menos esperei percebi que não havia ninguém por mim, e a cada dia que passa esse estar sozinho tende somente a aumentar ainda mais e mais.
Vivo uma vida onde não há uma graça ou cor, não saio pois não vejo graça de sair sozinho, é uma vida do trabalho pra casa e casa pro trabalho, às vezes da casa pra igreja, e igreja casa, mas percebo que a cada dia esse estar sozinho tem aumentado e prejudicado ainda mais, pois as pessoas não entendem muito bem o que passamos e/ou sentimos, chegam a achar que estamos fazendo charme ou mesmo fazendo manha para nos sentirmos centro das coisas, e não é bom isso, pois a última coisa que quero é ser ou estar no centro das atenções. 
Tenho me afastado de tudo que me promova, pois constantemente tenho recebido críticas externas de que busco aparecer no meio das pessoas... isso é o que menos quero na vida, pois só atrai problemas e responsabilidades, e algo que tenho corrido é de problemas e, principalmente, de responsabilidades.
Quero ser feliz, mas não sei como conquistar essa tal felicidade sozinho... 
Outro texto que me ajuda a pensar nesse estado solitário de ser:
"Dia desses me perguntaram se eu era solitária e respondi que sim, que eu era. Depois fiquei pensando nisso. Mas o que é ser solitário? É uma pessoa viver sozinha, isolada e triste? Isso já é um estado de rejeição, desamparo, melancólico e angustiante. O que a pergunta trazia em seu contexto era o fato de eu ficar muito em minha casa. Sair pouco. 
Tanto que a pergunta que se seguiu foi: "O que você faz em casa? Eu preciso sair, não aguento ficar dentro de casa". E eu tenho fases mesmo de dificuldade de sair da "concha" - como diz um amigo que está sempre me cobrando pra tomar algo em um barzinho e colocar o papo em dia. 
Então, fico pensando, se eu sair da concha e for pra balada todo os dias ou estiver dia e noite fora de casa, não serei solitária? Bom, já fiz muito disso, até demais, com amigas e amigos, e com namorados. É bom, mas em alguns momentos da vida, escolhemos a concha. Mas é uma opção. 
É lógico que gosto de sair, jantar com um amigo ou sair com amigas pra curtir um fim de semana. Estou até em falta com alguns que estão sempre me chamando. 
"E o que você faz em casa?" Sempre tenho o que fazer. Adoro ver um bom filme ou um show, leio, escrevo meus "pensamentos", ouço música, converso pela internet com amigos, amigas e primos que estão longe de mim. Atualizo meus blogs, aliás algo que adoro fazer. E assim vai... É mais difícil me tirar de casa do que se imagina. Quem consegue pode ter certeza de que curto muito a companhia. Tenho prazer em bons papos. 
Nem sempre sinto que vale a pena sair da minha concha, do meu lar-doce-lar pra ficar rodando pelas ruas e conseguir um barzinho e não ter onde estacionar, depois não ter onde sentar e ter de esperar e muita gente e tudo muito cheio... E me pergunto se nesses momentos não podemos nos sentir meio solitários, mesmo entre tanta gente? Sim, claro. E eu nem sei se esse meu jeito é bom ou ruim, mas é assim que acontece. 
Também gosto muito, quando alguém vem aqui no meu canto e preenche o espaço com presença e alegria, movimento e boas energias. Então, sinto que essa conversa de ser solitário, sair ou não querer sair, talvez seja normal. 
Sair, porque é sexta, sábado ou domingo, se não for algo com que eu vibre, pra mim, já é rotina. Talvez tudo isso reflita apenas um estado de espírito meu. Posso estar num café numa segunda-feira e se a companhia for boa e o papo também, pronto! Isso já me fez bem demais. 
Então, não acho que eu seja solitária. Acho que, tirando alguns amigos queridos e companhias agradáveis que valem a pena, em muitos momentos curto estar comigo. Sem estresse nem problemas. Porque o importante, na concha ou no meio do movimento, é não estar infeliz.

- See more at: http://pensamentomeleve.blogspot.com/2010/12/dia-desses-perguntarm-pra-mim-se-eu-era.html#sthash.o0aPfyAt.dpuf
Só sei que ser solitário não é algo muito agradável, pois muitas vezes queremos fazer muita coisa, mas pela falta de companhia, acabamos por desistir e ficar no nosso mundinho isolado. Às vezes arrisco em dar minhas saídas sozinho, ir ao shopping, cinema, comer algo, mas é tão frustante, e as pessoas passando te olhando, meio que se questionando o motivo pelo qual você está ali sozinho sem ninguém... Em casa devido às situações vividas, acabo por ficar no meu quarto vendo filme, escrevendo, trabalhando, pois é o lugar onde mais sinto sozinho, por falta de troca de afetos!!! Minha balada é a internet, onde tenho amigos virtuais com quem converso com frequência... Mas o sentimento que insiste em me sondar é o de atrapalhar o outro, às vezes tenho a impressão de que além de ser inútil para o outro, acabo me tornando um estorvo, atrapalhando a vida de outros...

Porém, estou cansado de viver SOZINHO, de ser SOLITÁRIO!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia dos namorados sozinho?

Ah, é claro que eu fico triste, talvez até mais do que deveria ficar, porque se eu pensar nas experiências do passado, eu estou bem até. Mas sabe, tem certas horas que eu sinto vontade de ter alguém e não estou dizendo isso só porque é o dia dos namorados e eu não tenho alguém.  Eu estou dizendo isso, porque faz bem viver a dois, ter alguém para um abraço quente, um beijo demorado, um boa noite e um bom dia querendo saber se eu dormi bem.  Chega uma hora que perde a graça sair, conhecer alguém e ver que ali você não pode depositar expectativas porque depois de três ou quatro palavras, você percebe que mais vazia do que a sua vida sentimental, é a cabeça dessas pessoas quem vão para a noite só querendo preencher a sua cota de beijar quem puder.  Chega uma hora que você se olha no espelho e se pergunta: será que não chegou a hora de me permitir e conhecer alguém legal? Que tire esse medo que ficou estacionado em mim, achando que todo mundo vai ser como a minha última péssima experiência?  A…
O passado me ensinou que as pessoas não somem, perdem o interesse. 
O passado me ensinou a não acreditar em um “Estou com saudade” se não vier acompanhado de um “Como faço para te ver?”. 
O passado me ensinou a não me preocupar com coisas que só o tempo pode resolver. 
O passado me ensinou que não tem como um relacionamento dar certo se o orgulho for maior que o próprio sentimento.


siga no Instagram

BORA DESABAFAR...

Em frente a tantas coisas que a vida vai nos levando a viver, chegam determinados momentos que é quase que impossível continuar... sentimos como se o mundo fosse tirado do nosso chão e com isso obrigados a caminhar mesmo sem ter forças e/ou querer... Este ano tenho experimentado viver o silêncio diante das inúmeras situações que têm se apresentado em minha vida, aos inúmeros problemas e dificuldades e as coisas que se encontravam ocultas tem se tornado claras...  Talvez tudo isso seja eu enxergando a vida com um olhar maduro, onde posso limitar-me a apenas observar, rezar e, acima de tudo, SILENCIAR... Hoje tive um momento com Deus e nesse meu momento com Ele exigi, que Ele me fosse sincero e claro, que tudo que ainda se encontrasse oculto que eu precisasse saber que se pusesse às claras... Trinta minutos após meu diálogo com Deus, recebo sem muito esforço o que precisava saber... e isso já era algo que vem há dias... apenas pude perceber que só Deus é sincero com a gente, que expõe o que…