Pular para o conteúdo principal
Timothy Kurek, é um homem cis, filho de pais religiosos, educado de acordo com os princípios cristãos. Sua bússola era a Bíblia, a igreja, sua casa. “Foi lá que eu aprendi a temer a Deus e encarar a homossexualidade como um pecado“, disse.
Segundo ele, os ensinamentos passados nas instituições religiosas era de que “amor é chegar e falar para o seu amigo gay: ‘Ei, escute, você é uma abominação e precisa pedir perdão para ir para o céu“. O problema, como o jovem mesmo declarou em entrevista a ABC News, é que ele acreditava fielmente nessa “besteira“.

O pensamento crítico de Kurek começou a mudar quando uma colega lésbica que havia sido expulsa de casa pelos pais devido à sua orientação sexual foi lhe pedir ajuda. “Eu senti que Deus me deu um tapa na cara. Ela estava chorando nos meus braços e em vez de eu estar lá para ela, eu ficava pensando em todos os argumentos que eu poderia usar para convertê-la“, disse.

Passada à epifania, o passo seguinte foi audacioso: heterossexual convicto, Timothy decidiu se passar por um homossexual, para sentir na pele o dia-a-dia da vida de pessoas homossexuais.

Arrumar um cúmplice que o ajudasse na farsa não foi difícil. Acertado os detalhes com um amigo que fingiria ser seu namorado, Kurek assumiu “sua homossexualidade” para a família, os amigos da igreja e, para ficar ainda mais inserido no meio, trocou seu antigo emprego e começou a trabalhar como garçom em um café gay. Como já era presumível, a acolhida não veio. “Eu preferia que um médico me diagnosticasse com câncer terminal a ter um filho gay“, foi a resposta de sua mãe. Dos amigos, 95% se afastaram, conta.

A meta imposta a si mesmo era de um ano, imerso em um ambiente desconhecido, diferente. Um território nunca antes pisado. Mas, segundo kurek, foi o suficiente para entender que homossexuais do mundo inteiro são injustiçados pela ideia errada de que o amor deles é um pecado, um crime contra as leis de Deus.

A experiência vívida serviu de inspiração para o livro “The Cross In The Closet” (“A Cruz no Armário”), onde relata o sofrimento diário das pessoas LGBT, postos à margem da sociedade, julgados como pecadores e seres abomináveis por fundamentalistas religiosos e as próprias instituições que em vez de acolher, afasta essas pessoas necessitadas de apoio moral e espiritual.

“Tudo aquilo pelo qual passei é nada comparado à experiência de qualquer gay ou lésbica”, afirmou o rapaz, que não só clareou todo o preconceito que foi ensinado a ter como conseguiu transformar a mentalidade da mãe e de alguns amigos.


https://vamoscontextualizar.wordpress.com/2015/08/31/cristao-que-por-um-ano-viveu-como-gay-relata-sofrimento-diario-de-homossexuais/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia dos namorados sozinho?

Ah, é claro que eu fico triste, talvez até mais do que deveria ficar, porque se eu pensar nas experiências do passado, eu estou bem até. Mas sabe, tem certas horas que eu sinto vontade de ter alguém e não estou dizendo isso só porque é o dia dos namorados e eu não tenho alguém.  Eu estou dizendo isso, porque faz bem viver a dois, ter alguém para um abraço quente, um beijo demorado, um boa noite e um bom dia querendo saber se eu dormi bem.  Chega uma hora que perde a graça sair, conhecer alguém e ver que ali você não pode depositar expectativas porque depois de três ou quatro palavras, você percebe que mais vazia do que a sua vida sentimental, é a cabeça dessas pessoas quem vão para a noite só querendo preencher a sua cota de beijar quem puder.  Chega uma hora que você se olha no espelho e se pergunta: será que não chegou a hora de me permitir e conhecer alguém legal? Que tire esse medo que ficou estacionado em mim, achando que todo mundo vai ser como a minha última péssima experiência?  A…
O passado me ensinou que as pessoas não somem, perdem o interesse. 
O passado me ensinou a não acreditar em um “Estou com saudade” se não vier acompanhado de um “Como faço para te ver?”. 
O passado me ensinou a não me preocupar com coisas que só o tempo pode resolver. 
O passado me ensinou que não tem como um relacionamento dar certo se o orgulho for maior que o próprio sentimento.


siga no Instagram

BORA DESABAFAR...

Em frente a tantas coisas que a vida vai nos levando a viver, chegam determinados momentos que é quase que impossível continuar... sentimos como se o mundo fosse tirado do nosso chão e com isso obrigados a caminhar mesmo sem ter forças e/ou querer... Este ano tenho experimentado viver o silêncio diante das inúmeras situações que têm se apresentado em minha vida, aos inúmeros problemas e dificuldades e as coisas que se encontravam ocultas tem se tornado claras...  Talvez tudo isso seja eu enxergando a vida com um olhar maduro, onde posso limitar-me a apenas observar, rezar e, acima de tudo, SILENCIAR... Hoje tive um momento com Deus e nesse meu momento com Ele exigi, que Ele me fosse sincero e claro, que tudo que ainda se encontrasse oculto que eu precisasse saber que se pusesse às claras... Trinta minutos após meu diálogo com Deus, recebo sem muito esforço o que precisava saber... e isso já era algo que vem há dias... apenas pude perceber que só Deus é sincero com a gente, que expõe o que…