Pular para o conteúdo principal
AMORES DE FAST-FOOD MATAM O CORAÇÃO
Por: KAREN CURI
A fome é tanta, a pressa, a ânsia pela saciedade consome os apressados. O mundo anda mesmo tão corrido… As vontades e quereres, sempre tão urgentes, precisam ser prontamente atendidos porque ninguém aguenta esperar que chova na sua horta. Dizem os mais inquietos que esperar é para os acomodados, que devemos correr atrás dos sonhos, abrir os caminhos do nosso destino, botar a mão na massa e fazer acontecer. Concordo. Só que existe um porém; corre-se demais sem saber realmente o que buscar, e no desespero de conseguir o que quer — ou a ilusão do que se almeja — os apressados se perdem, se enveredam em toda e qualquer saída. A fim de alcançar o maior número de conquistas (que neste caso não são vitórias), deixa-se de dar importância às consequências que cada uma delas traz ao coração.
Preciso confessar que eu faço parte do time dos maratonistas da vida. Sim. Quero tudo pra ontem, não me acomodo nas comodidades que meus dias me regalam. Me apavoro só de pensar numa vida sem mudanças, na rotina perfeitamente traçada sem direito à desvios. Não me bastam as certezas do meu universo, nem a quietude de uma espera consentida no portão. Eu quero mais é vendaval, tormentas abruptas que levam embora o que não é firme o bastante para permanecer. Só dessa forma eu consigo admirar a calmaria da manhã seguinte e valorar o que ficou de profundo e enraizado.
O problema de ser assim, apreciadora da velocidade por viver, é que quando os ventos não andam soprando lá com tanta veemência, a falta de emoção — mais conhecida como mesmice — cresce vertiginosamente aqui dentro. Impaciência, inquietude, incredulidade, inconformismo. Tudo junto.
Mas enquanto o estilo apressado de ser e querer e sentir não chega ao coração, tudo bem. Porque o coração não pode, nem deve ser manejado com afobamento, ou sob qualquer outro tipo de pressão. O amor é único em sua amplitude absolutamente sucinta. Lê-se: Único. Amor não é sexo, não é afinidade, não é amizade, necessidade, nem paixão ou compaixão, desejo, ensejo. Nada disso. Amor é amor. Assim, simplesmente e lindamente.
Acontece que, muitas vezes, o desespero por viver o amor é tão imenso, praticamente incontrolável, que a cegueira acomete os olhos do apurado por amar. De certo que o amor é cego, mas o anseio por ele obstrui a visão e todos os outros sentidos. A pessoa quer porque quer ter alguém para chamar de seu. E diante da pressão de encontrá-lo despeja-se sobre qualquer alma as suas vontades e planos, sem respeitar a si próprio, sem considerar o outro. Perde-se o critério de avaliação de sentimentos, de compatibilidade, as sensações se confundem e se misturam umas às outras.
Dessa forma, é dada a largada aos amores de fast-food. Esfomeados em busca de uma embalagem bonita, alguém que lhes salte os olhos e sacie a fome de amar e ser amado naquele instante. Tem que ser agora, deve ser pra já. A sede matada na saliva, e o coração que morra afogado nas lágrimas do dia seguinte. Sim, porque depois de tantas trocas, tornam-se mais estranhos do que antes de terem sido apresentados.
Corações deveriam ser alvos de amor pra se lançar sonhos a dois, cumplicidade, tantas coisas boas, e não um pano de chão para que qualquer um limpe os pés na entrada e pise na saída.
Na pressa por viver um amor e em busca de ser feliz junto à alguém, as pessoas se atropelam em euforias, bocas e corpos. Não estou dizendo que se deva ser um monge e viver recluso às possibilidades amorosas. Não é isso. Aliás, eu, como parte do time dos corredores pela vida, penso que estamos aqui para viver de forma ampla, trocar experiências, ser feliz e fazer feliz. Mas acredito, sinceramente, que o coração não é um brinquedo, nem objeto de tortura, muito menos algo perecível com prazo de validade para se usar e descartar. Aliás, nas questões do amor, deve-se ter cautela para que ninguém saia, pelo menos, tão ferido.
Está praticamente imposto que trouxa é aquele que preserva o seu coração, que se ama e se respeita acima de tudo. Porque legal mesmo é sair traçando tudo o que se vê pela frente, deixando fluídos por aqui e acolá, espalhando sementes em terras úmidas sem a menor precaução e preocupação com o terreno alheio. Não se engane. A fome desvairada por provar todos os quitutes da festa passa, e o vazio que fica é um buraco tão fundo e tão escuro que vai desencadear meses de insônia e muito, mas muito arrependimento por ter sido tão permissivo.
Portanto, antes que nos deixemos tomar pela ansiedade de degustar os amores de fast-food, por que não nos alimentamos, antes de tudo, de amor próprio, de confiança, de respeito? Que nos amemos primeiro e nos provemos primeiro antes de oferecer um bocado à qualquer morto de fome.
Se o amor não tem limite, que a caridade amorosa tenha.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Algumas pessoas olham o mundo e perguntam:
Por quê???

Eu penso em coisas que nunca existiram e pergunto:
Por que não???

George Bernard Shaw

Ai como eu to bandida!!!

Esse é um jargao que esta se espalhando no meio homo, como tambem no meio hetero, por que será??? Alguns acham ridículo a forma de ser de um homossexual afeminado, como diz a Valeria Vasquez: transsexual operada. Alguns caem na gargalhada, amam o que consideram "lúdico" da situação e quando vai se deparar com a realidade parece que a vida perde um pouco da graça. Eu parabenizo o personagem que interpreta a Valéria Vasquez pois transmite com exatidão as ações de um transsexual, as palavras, os gestos, a delicadeza e a sua falta de delicadeza, a inconstancia e tudo mais, só que as pessoas nao percebem que os gays deste tipo dentro de si tem algo muito alem de caricatura, muito alem de aparencias, muito alem de jargoes. Em nem um momento querem divertir as pessoas que estao a volta, a única coisa que tem consigo que vivem intensamente a verdade... e muitas vezes achamos graça da verdade ao invés de  pararmos e pensarmos o que estamos fazendo com essa verdade em nossas vidas. Em t…

Abraço, eu quero um..

Um abraço... Sentir o nosso coração ao mesmo tempo que o de alguém a quem damos um abraço faz-nos de tal maneira bem à saúde, traz-nos uma tal paz, que até existe uma forma de tratamento chamada Terapia do Abraço. Um bom abraço ajuda-nos a sentir as muitas dimensões do amor: a facilidade para receber e dar, a sensibilidade para o sofrimento, a disponibilidade para a alegria de se divertir e a profundidade da ternura.  Abraçar alguém é como dizer-lhe: "Olha, aqui estou para o que quiseres, de coração aberto para ti". O que implica aceitar ser rejeitado. Mal interpretado. Correr esse risco. No entanto, só se a atitude interior, o pano de fundo a partir do qual nos relacionamos com os outros, for de lhes estender os braços e de os tocar, poderemos descobrir o valor da partilha. Não são só as pessoas solitárias, infelizes, inseguras, que precisam ser abraçadas. Abraçar bem dá-nos saúde. Mas não se trata de abraços sociais, de conveniência, em que duas pessoas se tocam apenas por …

Essa solidao me consome... DEMAIIIISSSSS!!!

Como ta dificil!!!

Complicado começar a escrever com uma frase assim, mas é o que to sentindo hoje, nesses últimos dias, tenho tentado permanecer forte, viril, em paz, mas meu coração insiste em ficar perturbado... Estou cansado dessa SOLIDAO, de nada ter, de nada poder, de nao ter ninguem, nao ter amigos reais... As vezes,quase sempre, siinto uma falta enorme de sentir-me amado, tocado, abraçado. As pessoas insistem em se aproximar quando kerem algo

Fiz o teste da UCLA sobre solidao e veja o que deu: índice de solidão segundo a Escala de Solidão da Universidade da Califórnia (Ucla) Você é uma pessoa solitária, e provavelmente sabe disso. Se isso não lhe causa incômodo, é possível que esteja só racionalizando o problema, isto é, inventando desculpas para não enfrentá-lo. Procure ajuda profissional e reavalie suas atitudes.  Realmente sou uma pessoa extremamente solitária e me causa muito incomodo, isso me poda muito e me faz ser a pessoa mais triste e incapaz do mundo, pois nao cons…

Problemas metabólicos

Bom com ja sabem, tenho 30 anos, hoje estou em uma fase bem resolvida na vida... e com os anos de experiencias vamos descobrindo coisas na vida que antes nunca imaginavamos saber. Há 3 meses, precisamente em setembro quando entrei de férias, voltei ao endocrinólogo para reavaliar minha taxa de açucar no sangue, pois sempre foi baixa devido a hipoglicemia (eu chamo de diabete ao contrário) é uma doença do metabolismo humano, que tem dificuldades em produzir insulina, alias produz demais que acaba eliminando o açúcar do sangue e quando nao se tem mais açúcar ela começa a eliminar gorduras, calorias etc, o que faz a pessoa se sentir constantemente cansada... o engraçado nisso tudo que geralmente os hipoglicemicos sao gordinhos, eu pra variar sou magrinho, beeeem magrinho, ao menos era...ha uns 3 anos no mesmo medico ele recomendou que fizesse indução, ate entao nao sabia o real motivo da induçao, induçao para "engordar", a lokaaa... todo mundo quer emagrecer e eu engordar, naoo…

no Pit stop...

Dei-me um momento pra eu parar, pensar, refletir, beber agua, criar forças e voltar a lutar... Como eu sempre disse a uma antiga amiga(Saudades!!!): EU QUERO VIVER!!! E querer viver, pra quem sofre de depressao, entre outras coisas mais, é uma decisão que tomamos diariamente, senao acho que acabamos por desistir. Estou vivendo meu momento Se(Talvez), a música de Djavan amado amigo... alguns ao interpretá-la, dizem ser uma proposta indecente onde o cara está doido pra ter uma noite com a namorada e a namorada vive dizendo que nao sabe se libera ou nao, como se fosse tao simples assim né, rs! mas avisando aos desajuizados que meu se/talvez nao se refere a nem um tipo de conotação sexual não... mas é algo para a vida que estou vivendo.  Diante dos problemas, das situações e dos momentos às acabamos nos perdendo em meio a tamanhas duvidas e incertezas, ontem fui ter uma conversa séria com Deus... expor minhas situações, minhas angústias e resolvi a ser o que sou, a deixar esse lado reservad…
Estava lendo um livro (O Barao - Leandrito Garcia) e os capitulos 24 e 25 chamaram-me a atençao, os quais ponho-os aqui na integra:

24 - O amor existe

Sim, o amor existe! Descobri que um dos maiores sentidos da vida é o de amar e ser amado. E agora eu me sentia amado. Mesmo que com os chocolates sempre presentes compartilhando desse mesmo amor de Fernando.
Lamento por aqueles que não amam, e que pulam de galho em galho feito macacos, abandonando-os a cada pulo. Digo que quem ama nao precisa de pular de galho em galho nenhum, já que o amor é capaz de nos sustentar, como o chao nos sustenta com o auxílio da gravidade. E assim, os galhos tonam-se dispensáveis.
Quem ama ao menos chega a conhecer a firmeza do chão e pode se consolar por saber que ama alguem.
Quem ama além de estar sempre com os pés dora do chao e correndo o risco de cair e se machucar, muitas vezes machuca aos outros. O que não é uma atitude digna de nobreza.
Quem não ama é egoista e assassin... Despreza o sentimento alheio e ag…

Que dor doída/doida....

Não sei se já disse alguma vez, mas reitero a todos que quando mais novo 23 eu acho tive nódulo na garganta e acabou se transformando em coisa mais grave, mas o susto ja passou hoje tenho apenas fendas nas cordas vocais, GRAÇAS A DEUS!!!, que a torna um pouco anasalada e rouco entre outras coisas, mas o que desejo dizer não é dessa doença não e sim de duas outras que agravaram devido a isso...
Devido aos fortes remédios que tomava minha imunidade ficou um pouco debilitada e hoje eu sou muito sensível em relação a doenças... e de uns anos pra cá tenho desenvolvido o bendito FURÙNCULO, que nasce de uma infecção capilar, ou seja, de um pêlo encravado... e pêlo encravado eu sou expert... pois tenho foliculite queloidiana(que isso???), é uma doença que dá na gente(homens na maioria das vezes) quando raspamos os pêlos, e quando crescem encravam(síndrome de peter pan) não querem crescer jamais... com isso, inflamam e surgem uns caroços, o rosto parece um ralador... sofro desse mal... e com is…

Um olhar sobre si mesmo...

Estava eu cá a delongar-me na vida, a pensar um pouco na existência humana, na minha propriamente... e estou naquela fase de querer que o mundo pare por um instante, e sente, respire... pois continuar é preciso, mas sem o descanso é tao difícil!!!
Venho de muitas tormentas, de muitos medos, precisando realmente parar, pensar e voltar a caminhar, talvez até por um novo caminho...
Como tornei-me cursilhista e de tempos em tempos me pego refletindo algumas mensagens que ouvi la, e to na fase do "Olhar sobre si mesmo", fazendo um filme da vida, tirando algumas conclusoes, percebendo que podemos mudar algumas coisas... ainda tem coisas pra serem mudadas; ainda bem, pois quando nao tiver é sinal que a vida acabou-se... E procurando o protagonista do filme da minha vida, percebi que continuo nao sendo o protagonista... vivo na co-adjuvancia da serie... esperando pelos outros, essa semana fui atingido mais uma vez pela decepção, acho que é por isso que estou assim... sabe quando chove…