Pular para o conteúdo principal

Faço delas minhas palavras...

Veja que lixo!

Por Jean Wyllys - Deputado Federal(PSOL-RJ)

Eu havia prometido não responder à coluna do ex-diretor de redação de Veja, José Roberto Guzzo, par
a não ampliar a voz dos imbecis. Mas foram tantos os pedidos, tão sinceros, tão sentidos, que eu dominei meu asco e decidi responder.
A coluna publicada na edição desta semana do libelo da editora Abril — e que trata sobre o relacionamento dele com uma cabra e sua rejeição ao espinafre, e usa esses exemplos de sua vida pessoal como desculpa para injuriar os homossexuais — é um monumento à ignorância, ao mal gosto e ao preconceito.
Logo no início, Guzzo usa o termo “homossexualismo” e se refere à nossa orientação sexual como “estilo de vida gay”. Com relação ao primeiro, é necessário esclarecer que as orientações sexuais (seja você hétero, gay ou bi) não são tendências ideológicas ou políticas nem doenças, de modo que não tem “ismo” nenhum. São orientações da sexualidade, por isso se fala em “homossexualidade”, “heterossexualidade” e “bissexualidade”. Não é uma opção, como alguns acreditam por falta de informação: ninguém escolhe ser gay, hétero ou bi.
O uso do sufixo “ismo”, por Guzzo, é, portanto, proposital: os homofóbicos o empregam para associar a homossexualidade à ideia de algo que pode passar de uns a outros – “contagioso” como uma doença – ou para reforçar o equívoco de que se trata de uma “opção” de vida ou de pensamento da qual se pode fazer proselitismo.
Não se trata de burrice da parte do colunista portanto, mas de má fé. Se fosse só burrice, bastaria informar a Guzzo que a orientação sexual é constitutiva da subjetividade de cada um/a e que esta não muda (Gosta-se de homem ou de mulher desde sempre e se continua gostando); e que não há um “estilo de vida gay” da mesma maneira que não há um “estilo de vida hétero”.
A má fé conjugada de desonestidade intelectual não permitiu ao colunista sequer ponderar que heterossexuais e homossexuais partilham alguns estilos de vida que nada têm a ver com suas orientações sexuais! Aliás, esse deslize lógico só não é mais constrangedor do que sua afirmação de que não se pode falar em comunidade gay e que o movimento gay não existe porque os homossexuais são distintos. E o movimento negro? E o movimento de mulheres? Todos os negros e todas as mulheres são iguais, fabricados em série?
A comunidade LGBT existe em sua dispersão, composta de indivíduos que são diferentes entre si, que têm diferentes caracteres físicos, estilos de vida, ideias, convicções religiosas ou políticas, ocupações, profissões, aspirações na vida, times de futebol e preferências artísticas, mas que partilham um sentimento de pertencer a um grupo cuja base de identificação é ser vítima da injúria, da difamação e da negação de direitos! Negar que haja uma comunidade LGBT é ignorar os fatos ou inscrição das relações afetivas, culturais, econômicas e políticas dos LGBTs nas topografias das cidades. Mesmo com nossas diferenças, partilhamos um sentimento de identificação que se materializa em espaços e representações comuns a todos. E é desse sentimento que nasce, em muitos (mas não em todos, infelizmente) a vontade de agir politicamente em nome do coletivo; é dele que nasce o movimento LGBT. O movimento negro — também oriundo de uma comunidade dispersa que, ao mesmo tempo, partilha um sentimento de pertença — existe pela mesma razão que o movimento LGBT: porque há preconceitos a serem derrubados, injustiças e violências específicas contra as quais lutar e direitos a conquistar.
A luta do movimento LGBT pelo casamento civil igualitário é semelhante à que os negros tiveram que travar nos EUA para derrubar a interdição do casamento interracial, proibido até meados do século XX. E essa proibição era justificada com argumentos muito semelhantes aos que Guzzo usa contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo.
Afirma o colunista de Veja que nós os homossexuais queremos “ser tratados como uma categoria diferente de cidadãos, merecedora de mais e mais direitos”, e pouco depois ele coloca como exemplo a luta pelo casamento civil igualitário. Ora, quando nós, gays e lésbicas, lutamos pelo direito ao casamento civil, o que estamos reclamando é, justamente, não sermos mais tratados como uma categoria diferente de cidadãos, mas igual aos outros cidadãos e cidadãs, com os mesmos direitos, nem mais nem menos. É tão simples! Guzzo diz que “o casamento, por lei, é a união entre um homem e uma mulher; não pode ser outra coisa”. Ora, mas é a lei que queremos mudar! Por lei, a escravidão de negros foi legal e o voto feminino foi proibido. Mas, felizmente, a sociedade avança e as leis mudam. O casamento entre pessoas do mesmo sexo já é legal em muitos países onde antes não era. E vamos conquistar também no Brasil!
Os argumentos de Guzzo contra o casamento igualitário seriam uma confissão pública de estupidez se não fosse uma peça de má fé e desonestidade intelectual a serviço do reacionarismo da revista. Ele afirma: “Um homem também não pode se casar com uma cabra, por exemplo; pode até ter uma relação estável com ela, mas não pode se casar”. Eu não sei que tipo de relação estável o senhor Guzzo tem com a sua cabra, mas duvido que alguém possa ter, com uma cabra, o tipo de relação que é possível ter com um cabra — como Riobaldo, o cabra macho que se apaixonou por Diadorim, que ele julgava ser um homem, no romance monumental de Guimarães Rosa. O que ele chama de “relacionamento” com sua cabra é uma fantasia, pois falta o intersubjetivo, a reciprocidade que, no amor e no sexo, só é possível com outro ser humano adulto: duvido que a cabra dele entenda o que ele porventura faz com ela como um “relacionamento”.
Guzzo também argumenta que “se alguém diz que não gosta de gays, ou algo parecido, não está praticando crime algum – a lei, afinal, não obriga nenhum cidadão a gostar de homossexuais, ou de espinafre, ou de seja lá o que for”. Bom, os gays somos como o espinafre ou como as cabras. Esse é o nível do debate que a Veja propõe aos seus leitores.
Não, senhor Guzzo, a lei não pode obrigar ninguém a “gostar” de gays, negros, judeus, nordestinos, travestis, imigrantes ou cristãos. E ninguém propõe que essa obrigação exista. Pode-se gostar ou não gostar de quem quiser na sua intimidade (De cabra, inclusive, caro Guzzo, por mais estranho que seu gosto me pareça!). Mas não se pode injuriar, ofender, agredir, exercer violência, privar de direitos. É disso que se trata.
O colunista, em sua desonestidade intelectual, também apela para uma comparação descabida: “Pelos últimos números disponíveis, entre 250 e 300 homossexuais foram assassinados em 2010 no Brasil. Mas, num país onde se cometem 50000 homicídios por ano, parece claro que o problema não é a violência contra os gays; é a violência contra todos”. O que Guzzo não diz, de propósito (porque se trata de enganar os incautos), é que esses 300 homossexuais foram assassinados por sua orientação sexual! Essas estatísticas não incluem os gays mortos em assaltos, tiroteios, sequestros, acidentes de carro ou pela violência do tráfico, das milícias ou da polícia.
As estatísticas se referem aos LGBTs assassinados exclusivamente por conta de sua orientação sexual e/ou identidade de gênero! Negar isso é o mesmo que negar a violência racista que só se abate sobre pessoas de pele preta, como as humilhações em operações policiais, os “convites” a se dirigirem a elevadores de serviço e as mortes em “autos de resistência”.
Qual seria a reação de todos nós se Veja tivesse publicado uma coluna em que comparasse os negros com cabras e os judeus com espinafre? Eu não espero pelo dia em que os homens concordem, mas tenho esperança de que esteja cada vez mais perto o dia em que as pessoas lerão colunas como a de Guzzo e dirão “veja que lixo!”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Algumas pessoas olham o mundo e perguntam:
Por quê???

Eu penso em coisas que nunca existiram e pergunto:
Por que não???

George Bernard Shaw

Ai como eu to bandida!!!

Esse é um jargao que esta se espalhando no meio homo, como tambem no meio hetero, por que será??? Alguns acham ridículo a forma de ser de um homossexual afeminado, como diz a Valeria Vasquez: transsexual operada. Alguns caem na gargalhada, amam o que consideram "lúdico" da situação e quando vai se deparar com a realidade parece que a vida perde um pouco da graça. Eu parabenizo o personagem que interpreta a Valéria Vasquez pois transmite com exatidão as ações de um transsexual, as palavras, os gestos, a delicadeza e a sua falta de delicadeza, a inconstancia e tudo mais, só que as pessoas nao percebem que os gays deste tipo dentro de si tem algo muito alem de caricatura, muito alem de aparencias, muito alem de jargoes. Em nem um momento querem divertir as pessoas que estao a volta, a única coisa que tem consigo que vivem intensamente a verdade... e muitas vezes achamos graça da verdade ao invés de  pararmos e pensarmos o que estamos fazendo com essa verdade em nossas vidas. Em t…

Abraço, eu quero um..

Um abraço... Sentir o nosso coração ao mesmo tempo que o de alguém a quem damos um abraço faz-nos de tal maneira bem à saúde, traz-nos uma tal paz, que até existe uma forma de tratamento chamada Terapia do Abraço. Um bom abraço ajuda-nos a sentir as muitas dimensões do amor: a facilidade para receber e dar, a sensibilidade para o sofrimento, a disponibilidade para a alegria de se divertir e a profundidade da ternura.  Abraçar alguém é como dizer-lhe: "Olha, aqui estou para o que quiseres, de coração aberto para ti". O que implica aceitar ser rejeitado. Mal interpretado. Correr esse risco. No entanto, só se a atitude interior, o pano de fundo a partir do qual nos relacionamos com os outros, for de lhes estender os braços e de os tocar, poderemos descobrir o valor da partilha. Não são só as pessoas solitárias, infelizes, inseguras, que precisam ser abraçadas. Abraçar bem dá-nos saúde. Mas não se trata de abraços sociais, de conveniência, em que duas pessoas se tocam apenas por …

Essa solidao me consome... DEMAIIIISSSSS!!!

Como ta dificil!!!

Complicado começar a escrever com uma frase assim, mas é o que to sentindo hoje, nesses últimos dias, tenho tentado permanecer forte, viril, em paz, mas meu coração insiste em ficar perturbado... Estou cansado dessa SOLIDAO, de nada ter, de nada poder, de nao ter ninguem, nao ter amigos reais... As vezes,quase sempre, siinto uma falta enorme de sentir-me amado, tocado, abraçado. As pessoas insistem em se aproximar quando kerem algo

Fiz o teste da UCLA sobre solidao e veja o que deu: índice de solidão segundo a Escala de Solidão da Universidade da Califórnia (Ucla) Você é uma pessoa solitária, e provavelmente sabe disso. Se isso não lhe causa incômodo, é possível que esteja só racionalizando o problema, isto é, inventando desculpas para não enfrentá-lo. Procure ajuda profissional e reavalie suas atitudes.  Realmente sou uma pessoa extremamente solitária e me causa muito incomodo, isso me poda muito e me faz ser a pessoa mais triste e incapaz do mundo, pois nao cons…

Problemas metabólicos

Bom com ja sabem, tenho 30 anos, hoje estou em uma fase bem resolvida na vida... e com os anos de experiencias vamos descobrindo coisas na vida que antes nunca imaginavamos saber. Há 3 meses, precisamente em setembro quando entrei de férias, voltei ao endocrinólogo para reavaliar minha taxa de açucar no sangue, pois sempre foi baixa devido a hipoglicemia (eu chamo de diabete ao contrário) é uma doença do metabolismo humano, que tem dificuldades em produzir insulina, alias produz demais que acaba eliminando o açúcar do sangue e quando nao se tem mais açúcar ela começa a eliminar gorduras, calorias etc, o que faz a pessoa se sentir constantemente cansada... o engraçado nisso tudo que geralmente os hipoglicemicos sao gordinhos, eu pra variar sou magrinho, beeeem magrinho, ao menos era...ha uns 3 anos no mesmo medico ele recomendou que fizesse indução, ate entao nao sabia o real motivo da induçao, induçao para "engordar", a lokaaa... todo mundo quer emagrecer e eu engordar, naoo…

no Pit stop...

Dei-me um momento pra eu parar, pensar, refletir, beber agua, criar forças e voltar a lutar... Como eu sempre disse a uma antiga amiga(Saudades!!!): EU QUERO VIVER!!! E querer viver, pra quem sofre de depressao, entre outras coisas mais, é uma decisão que tomamos diariamente, senao acho que acabamos por desistir. Estou vivendo meu momento Se(Talvez), a música de Djavan amado amigo... alguns ao interpretá-la, dizem ser uma proposta indecente onde o cara está doido pra ter uma noite com a namorada e a namorada vive dizendo que nao sabe se libera ou nao, como se fosse tao simples assim né, rs! mas avisando aos desajuizados que meu se/talvez nao se refere a nem um tipo de conotação sexual não... mas é algo para a vida que estou vivendo.  Diante dos problemas, das situações e dos momentos às acabamos nos perdendo em meio a tamanhas duvidas e incertezas, ontem fui ter uma conversa séria com Deus... expor minhas situações, minhas angústias e resolvi a ser o que sou, a deixar esse lado reservad…
Estava lendo um livro (O Barao - Leandrito Garcia) e os capitulos 24 e 25 chamaram-me a atençao, os quais ponho-os aqui na integra:

24 - O amor existe

Sim, o amor existe! Descobri que um dos maiores sentidos da vida é o de amar e ser amado. E agora eu me sentia amado. Mesmo que com os chocolates sempre presentes compartilhando desse mesmo amor de Fernando.
Lamento por aqueles que não amam, e que pulam de galho em galho feito macacos, abandonando-os a cada pulo. Digo que quem ama nao precisa de pular de galho em galho nenhum, já que o amor é capaz de nos sustentar, como o chao nos sustenta com o auxílio da gravidade. E assim, os galhos tonam-se dispensáveis.
Quem ama ao menos chega a conhecer a firmeza do chão e pode se consolar por saber que ama alguem.
Quem ama além de estar sempre com os pés dora do chao e correndo o risco de cair e se machucar, muitas vezes machuca aos outros. O que não é uma atitude digna de nobreza.
Quem não ama é egoista e assassin... Despreza o sentimento alheio e ag…

Que dor doída/doida....

Não sei se já disse alguma vez, mas reitero a todos que quando mais novo 23 eu acho tive nódulo na garganta e acabou se transformando em coisa mais grave, mas o susto ja passou hoje tenho apenas fendas nas cordas vocais, GRAÇAS A DEUS!!!, que a torna um pouco anasalada e rouco entre outras coisas, mas o que desejo dizer não é dessa doença não e sim de duas outras que agravaram devido a isso...
Devido aos fortes remédios que tomava minha imunidade ficou um pouco debilitada e hoje eu sou muito sensível em relação a doenças... e de uns anos pra cá tenho desenvolvido o bendito FURÙNCULO, que nasce de uma infecção capilar, ou seja, de um pêlo encravado... e pêlo encravado eu sou expert... pois tenho foliculite queloidiana(que isso???), é uma doença que dá na gente(homens na maioria das vezes) quando raspamos os pêlos, e quando crescem encravam(síndrome de peter pan) não querem crescer jamais... com isso, inflamam e surgem uns caroços, o rosto parece um ralador... sofro desse mal... e com is…

Um olhar sobre si mesmo...

Estava eu cá a delongar-me na vida, a pensar um pouco na existência humana, na minha propriamente... e estou naquela fase de querer que o mundo pare por um instante, e sente, respire... pois continuar é preciso, mas sem o descanso é tao difícil!!!
Venho de muitas tormentas, de muitos medos, precisando realmente parar, pensar e voltar a caminhar, talvez até por um novo caminho...
Como tornei-me cursilhista e de tempos em tempos me pego refletindo algumas mensagens que ouvi la, e to na fase do "Olhar sobre si mesmo", fazendo um filme da vida, tirando algumas conclusoes, percebendo que podemos mudar algumas coisas... ainda tem coisas pra serem mudadas; ainda bem, pois quando nao tiver é sinal que a vida acabou-se... E procurando o protagonista do filme da minha vida, percebi que continuo nao sendo o protagonista... vivo na co-adjuvancia da serie... esperando pelos outros, essa semana fui atingido mais uma vez pela decepção, acho que é por isso que estou assim... sabe quando chove…