sábado, 26 de setembro de 2015

FAMÍLIA

Uma palavrinha tão pequena, com grandes significados, porém tentam resumir seu significado legalmente falando.
Não sou a melhor pessoa pra falar sobre família, pois família foi um grande peso, pois sempre passei por inúmeras situações dificeis com a minha família e devido a ela. Então eu evito consideravelmente o assunto, pois nao tive uma real identidade familiar, um berço familiar, ainda mais agora!!!
Pois é...
Passou-se na câmara do legislativo que a definição de família é a 'união entre homem e mulher', sim e os filhos se tornam pertencentes a esta família por ser frutos dessa união.
Vemos por ai, grandes discussões, principalmente por "grandes' teólogos católicos e não católicos, onde declaram que a ideologia gay veio para destruir o sentido de família no país e no mundo. Chove comentários, desaforos etc para tentar defender a família e criar um conceito que para mim se torna, totalmente, desnecessário, nao pela minha sexualidade, mas pelo que vemos no país, quiçá no mundo.
Acho que quando propuseram tal lei esqueceram de alguns detalhes que são muito presente em nossa sociedade, quando faz tal definição. Pois, as pessoas que sao criadas pelos avós? nao podem se considerar família? e os que sao criados pelos tios, pelas tias, irmãos, padrinhos etc por ter acontecido algo com os pais, ou os proprios pais terem abandonaddo ou mesmo abusado violentamente ou sexualmente dos próprios filhos??? Isso que é família? viver em um lugar hostilizado, onde sua segurança está corrompida, destruida?? 
Fiquei chocado quando soube desse tal projeto, espero que JAMAIS seja sancionada essa lei. Sou católico, conheco minha doutrina, a respeito e a sigo, mas em nem um lugar tanto na bíblia, catecismo, doutrina social etc, se restringe família como pai e mãe, até porque se formos considerar alguns aspectos biblicos encontramos, pais tendo "casos sexuais" com filhos no antigo testamento, onde o homem possui inúmeras mulheres, para poder se satisfazer... e ai??? 
Não tive um berço familiar autêntico, pois fui criado com a ausencia de meu pai, pois era alcoolatra e mau tinhamos contato.
Ouvir da boca de algumas pessoas, que pra mim são mais ignorantes que qualquer definição possível, dizer que uma criança nao pode ser adotado por casal de homossexuais, pois irá corromper a criança, a criança ja irá nascer no meio do pecado, da perversão etc. Agora uma criança pode ser abandonada pelos pais heteros, ou abusado por esses pais, que nao demonstra nem um pingo de carinho, preocupaçao e remorso. Ou preferem que as crianças sejam pelo sistema de abrigo, orfanatos etc onde sao tratadas apenas como objetos que foram depositadas ali e pronto...
Não concordo, nao aceito, e nao irei nunca concordar com essa definição, a palavra família possui um significado muito mais amplo do que essa definiçao de uniao sexual de um homem e mulher. 
Família é o lugar onde nos sentimos seguros, protegidos, acolhidos e amados. Onde sabemos que tudo pode nos acontecer e é pra lá que devemos voltar pra encontrar nosso alicerce nossa segurança, consolo, conforto ...
Alguns defendem que a família tem sido destruida, etc, até concordo, mas isso não se dá  simplesmente pelo fato da sexualidade, de um ou outro levantar uma bandeira se assume gay ou nao, esssa destruição, vem de muito antes, de inúmeros fatores, agora simplesmente acusar a homossexualidade ou ideologia de genero... é simplesmente pensar pequeno...

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

PARTILHANDO...

Partilha: tem gente viciada em infelicidade! É estranho, eu sei, mas acontece. Alguns preferem repisar o terreno do sofrimento velho conhecido do que ousar o desconhecido. Muitos preferem repetir a mesma cantilena do papel de vítima da sua própria história do que pegar lápis e papel e rescrever o um roteiro diferente para a sua vida. Infelicidade vicia de tal maneira que não se vê outro horizonte ou pior, nenhum horizonte é capaz de anunciar novas terras e céus aos corações intoxicados. Detox de infelicidade por favor! Viva o contentamento! Viva a ação de graças do cotidiano imperfeito! Vivas e mais vivas para as pequenas alegrias da vida! O antídoto para a infelicidade pode vir em doses homeopáticas!

Por Augusto César - Banda Dom!!!

https://www.facebook.com/AugustoCezarDOM?fref=ufi

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

DIAS BONITOS

Estou trilhando meu caminho, cuidando do meu campo, vivendo a minha história, na verdade colhendo um dia de cada vez, tentando não olhar para o que esta a minha volta que seja desinteressante, mas realmente não querendo perder nada que seja importante pra mim. Já me senti menor do que o outro, já pensei que não seria capaz de tanta coisa, que hoje olho bem pra dentro da minha alma e penso, uau, quantas proezas já consegui fazer, quantos obstáculos já venci, quantos muros já derrubei, quantas manobras já dei pra chegar exatamente onde já cheguei. 

Por mais valentes que sejamos, uma hora o coração pede pausa, os cansaços chegam, e dar um tempo se torna necessário para colocarmos muitas coisas nossas no lugar. 

Falo destas urgências que a gente tem quando não sabemos esperar, quando não permitimos Deus de agir, quando não queremos ouvir ninguém por nos acharmos fortes e inteligentes demais ao ponto de arriscarmos tudo por algo ou alguém. 

Você tem uma vida, respeite-a, você também tem sentimentos, respeite-os, é isto que sempre ouço quando avanço os meus limites, quando os meus passos estão maiores do que a minha sensatez. 

Gente, não há nada melhor do que as experiências que adquirimos quando decidimos nos cuidar, quando nos silenciamos para ouvirmos o nosso coração, quando abraçamos a coragem de ser feliz sem apertos e sem sem tantas cobranças, sem tantas obrigações. 

Estou vivendo dias bonitos, entendam, eu não disse dias fáceis, eu disse dias bonitos....

POR  Cecilia Sfalsin

DSCF9875

DSCF9793

Capela do Santíssimo com Thiago Brado

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Filho, aprenda a desistir. Sei que parece o conselho errado de um pai dar para o seu filho. Mas, tenho certeza de que não se trata só de perseverar, de se agarrar tenazmente a algo ou alguém. Às vezes, ser feliz requer de nós a capacidade de desistir, de abrir mão, de desapegar-se. Às vezes, o jeito mais fácil de perder algo ou alguém é querer possuir, persistir para além da razoabilidade. Filho, para aprender a perseverar é preciso aprender a, sabiamente, desistir. Não se pode ter e ser tudo para todos. Escave dentro de si mesmo a resposta à pergunta: do que ou de quem não sou capaz de desistir? E a partir da resposta construir toda a sua perseverança e todo o seu desapego do que não lhe é fundamental. É isso, filho. O que me motiva a te escrever é uma vontade enorme de lhe ver feliz. E que você possa entender um pouco de por que sou como sou. Filho, to aqui te esperando, pra cada dia te amar mais e mais!

BOA NOITE!!

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Solitário...

Já se tem alguns anos que a minha qualidade maior é o fato de ser solitário, por mais que muitas vezes esteja rodeado de muitas pessoas, ou em ambientes repletos de gente, no fundo do meu coração ainda ha uma grande solidão, 
Algumas pessoas acham que ser solitário é uma escolha, opção de vida, mas eu que vivo isso constantemente sei que não é bem assim. 

Tento entender em como eu cheguei a isso, a não estar com muitos, não ser de muitos, apesar de conhecer muita gente, e muitas vezes estar com muita gente, dentro de mim, a solidão é uma constância que nos leva a uma eterna oscilação de melancolia e tristeza, pois não sabemos, eu ao menos não sei, lidar muito bem com isso.

Às vezes penso que os sofrimentos que a vida me presenteou trouxe junto essa característica de ser solitário. 

Um texto de reflexão:
"Apesar que sofrer dignifica, faz crescer... Mas sofrer em excesso leva ao desespero, à dor incontrolável. Portanto, pensar é preciso, mas ponderar os pensamentos é obrigatório. Quem pensa de mais, vive de menos. “Penso que sou o homem mais solitário do mundo.” Quem pensa, se dá conta de que muita coisa na vida não tem sentido nenhum e pensar mais e mais pode só aumentar a agonia. É por esse motivo que os solitários que andam por aí muitas vezes são vistos como pessoas amarguradas e estranhas. Na verdade, encarar as verdades da vida torna esses indivíduos mais críticos, pois continuam numa busca incessante por respostas que podem nunca alcançar. Dessa forma, se isolam da maioria por se sentirem completamente incompreendidos e desencaixados num mundo onde parece que ninguém os acompanha. O equilíbrio é essencial. Ser um solitário constantemente pode gerar muito sofrimento – como pode ser percebido no romance –, mas ser incapaz de ter um momento solo é um erro muito comum hoje em dia e que passa despercebido".  (http://lounge.obviousmag.org/recanto_da_desconstrucao/2014/10/por-que-pensar-te-torna-um-ser-mais-solitario.html#ixzz3koN4HUTM)
Algumas pessoas se incomodam com o nosso ser solitário, como se o estar na solidão fosse alguma escolha nossa, ou as vezes até um doença, mas na verdade acontece sozinho, ao menos comigo foi, quando menos esperei percebi que não havia ninguém por mim, e a cada dia que passa esse estar sozinho tende somente a aumentar ainda mais e mais.
Vivo uma vida onde não há uma graça ou cor, não saio pois não vejo graça de sair sozinho, é uma vida do trabalho pra casa e casa pro trabalho, às vezes da casa pra igreja, e igreja casa, mas percebo que a cada dia esse estar sozinho tem aumentado e prejudicado ainda mais, pois as pessoas não entendem muito bem o que passamos e/ou sentimos, chegam a achar que estamos fazendo charme ou mesmo fazendo manha para nos sentirmos centro das coisas, e não é bom isso, pois a última coisa que quero é ser ou estar no centro das atenções. 
Tenho me afastado de tudo que me promova, pois constantemente tenho recebido críticas externas de que busco aparecer no meio das pessoas... isso é o que menos quero na vida, pois só atrai problemas e responsabilidades, e algo que tenho corrido é de problemas e, principalmente, de responsabilidades.
Quero ser feliz, mas não sei como conquistar essa tal felicidade sozinho... 
Outro texto que me ajuda a pensar nesse estado solitário de ser:
"Dia desses me perguntaram se eu era solitária e respondi que sim, que eu era. Depois fiquei pensando nisso. Mas o que é ser solitário? É uma pessoa viver sozinha, isolada e triste? Isso já é um estado de rejeição, desamparo, melancólico e angustiante. O que a pergunta trazia em seu contexto era o fato de eu ficar muito em minha casa. Sair pouco. 
Tanto que a pergunta que se seguiu foi: "O que você faz em casa? Eu preciso sair, não aguento ficar dentro de casa". E eu tenho fases mesmo de dificuldade de sair da "concha" - como diz um amigo que está sempre me cobrando pra tomar algo em um barzinho e colocar o papo em dia. 
Então, fico pensando, se eu sair da concha e for pra balada todo os dias ou estiver dia e noite fora de casa, não serei solitária? Bom, já fiz muito disso, até demais, com amigas e amigos, e com namorados. É bom, mas em alguns momentos da vida, escolhemos a concha. Mas é uma opção. 
É lógico que gosto de sair, jantar com um amigo ou sair com amigas pra curtir um fim de semana. Estou até em falta com alguns que estão sempre me chamando. 
"E o que você faz em casa?" Sempre tenho o que fazer. Adoro ver um bom filme ou um show, leio, escrevo meus "pensamentos", ouço música, converso pela internet com amigos, amigas e primos que estão longe de mim. Atualizo meus blogs, aliás algo que adoro fazer. E assim vai... É mais difícil me tirar de casa do que se imagina. Quem consegue pode ter certeza de que curto muito a companhia. Tenho prazer em bons papos. 
Nem sempre sinto que vale a pena sair da minha concha, do meu lar-doce-lar pra ficar rodando pelas ruas e conseguir um barzinho e não ter onde estacionar, depois não ter onde sentar e ter de esperar e muita gente e tudo muito cheio... E me pergunto se nesses momentos não podemos nos sentir meio solitários, mesmo entre tanta gente? Sim, claro. E eu nem sei se esse meu jeito é bom ou ruim, mas é assim que acontece. 
Também gosto muito, quando alguém vem aqui no meu canto e preenche o espaço com presença e alegria, movimento e boas energias. Então, sinto que essa conversa de ser solitário, sair ou não querer sair, talvez seja normal. 
Sair, porque é sexta, sábado ou domingo, se não for algo com que eu vibre, pra mim, já é rotina. Talvez tudo isso reflita apenas um estado de espírito meu. Posso estar num café numa segunda-feira e se a companhia for boa e o papo também, pronto! Isso já me fez bem demais. 
Então, não acho que eu seja solitária. Acho que, tirando alguns amigos queridos e companhias agradáveis que valem a pena, em muitos momentos curto estar comigo. Sem estresse nem problemas. Porque o importante, na concha ou no meio do movimento, é não estar infeliz.

- See more at: http://pensamentomeleve.blogspot.com/2010/12/dia-desses-perguntarm-pra-mim-se-eu-era.html#sthash.o0aPfyAt.dpuf
Só sei que ser solitário não é algo muito agradável, pois muitas vezes queremos fazer muita coisa, mas pela falta de companhia, acabamos por desistir e ficar no nosso mundinho isolado. Às vezes arrisco em dar minhas saídas sozinho, ir ao shopping, cinema, comer algo, mas é tão frustante, e as pessoas passando te olhando, meio que se questionando o motivo pelo qual você está ali sozinho sem ninguém... Em casa devido às situações vividas, acabo por ficar no meu quarto vendo filme, escrevendo, trabalhando, pois é o lugar onde mais sinto sozinho, por falta de troca de afetos!!! Minha balada é a internet, onde tenho amigos virtuais com quem converso com frequência... Mas o sentimento que insiste em me sondar é o de atrapalhar o outro, às vezes tenho a impressão de que além de ser inútil para o outro, acabo me tornando um estorvo, atrapalhando a vida de outros...

Porém, estou cansado de viver SOZINHO, de ser SOLITÁRIO!!!

Apegos e desapegos!!

É muito dificil reconhecer nossas proprias fragilidades, fraquezas e sensibilidades por medo das pessoas nos olharem com pena, com ranço de julgamento e às vezes até com um certo pré conceito... 
Falo isso pois já vivi muitas situaçoes na vida e em todas elas necessitei ser forte, necessitei demonstrar, em muitas vezes, algo que dentro de mim era totalmente o oposto. 
Atualmente, tenho tomado consciencia de minhas limitações, ainda mais, e das minhas fraquezas e sensibilidades, para que eu possa aprender com elas e, verdadeiramente, ser quem eu realmente sou, sem máscaras, sem fingimentos e dissimulações.
E diante disso, tenho percebido meus apegos para lidar com os desapegos, coisa que é muito dificil para mim, pois sou uma pessoa que se apega muito fácil, e desapega com muita dificudade, por medo de ficar ainda mais sozinho que ja sou e estou.
Os apegos são diversos em minha vida, apego a pessoas que hoje, ja nao sou mais apegado a pessoas, mas tenho uma fragilidade no apego, pois como me apego facilmente tenho um medo tremendo de me aproximar do outro, o que causa ainda mais a minha solidao, pois há um medo de se sentir abandonado em meio aos apegos humanos, apegos sentimentais e emocionais, como constantemente ja aconteceram em minha vida.
Esses apegos eram constantes, e por fim acabavam me interpretando erroneamente e isso me frustrava e frustra muito, pois a minha carência, como disse no post anterior, faz me apegar ainda mais as pessoas e as coisas que a vida me apresenta.
O desapego não algo fácil pra mim, apesar que atualmente nao tem sido muito uma escolha desapegar-se, pois a própria vida se encarregou de fazer com que eu me desapegue de outrem, sendo deixado de lado, abandonado, e muitas vezes, pra nao dizer sempre, ser lembrado pelos outros somente quando precisam de mim para alguma coisa que eu seja capaz.
O sentimento que estes apegos e desapegos deixaram foram da inutilidade, sentimento da nao serventia, o que tem me feito refletir muito nos últimos meses, tenho tentado entender pra que vivo, pra que fim??? Até então nao encontrei resposta... pois a vida que cheguei tem sido muito cruel, onde as pessoas te interpretam seu falar e seu agir da maneira que elas acham, mas la no nosso interior, só nós sabemos o que se passa, sabemos a autenticidade de nossos valores...
Esses desapego pleno que a vida me impos fez me crer que nao tenha muito valor autentico, tenho buscado descobrir qual o meu valor, mas, ainda assim, está difícil encontrar um valor real pra minha vida, pra tudo que sou, um valor agradavel, pois percebo que possuo valores, mas aos meus olhos nao sao valores agradáveiis, mediante minhas conclusões... Vivo um constante questionamento sobre minha vida, sobre o que vivencio, pois a cada dia sinto que a vida tem perdido, pra mim, o seu verdadeiro sentido, perdido a vontade,  a esperança... Hoje apenas vivo... sem apegos e desapegando de mim mesmo, sem criar expectativas com o que pode vir, pois nao tenho recebido nada agradavel nesses 35 anos, e percebo que isso perpetuará ainda mais em minha vida...

Minhas palavras, meus desabafos, minhas confissões...

Chega de mensagem dos outros e minha vez de escrever de mim, por mim mesmo... Apesar que todas as mensagens que postei que não são minhas têm haver comigo e com a realidade que tenho vivido nos últimos meses.
E tenho tido grandes momentos de reflexão, devido a todo processo de transformação que tenho passado internamente, uma libertação de mim mesmo, de meus apegos (que será um outro  post), de pensar e repensar minhas atitudes, meus pré conceitos, minhas atuais intenções de vida entre outras tantas coisas que venho lutando internamente.
Como disse algumas outras vezes, e hoje tenho plena certeza disso, Sou muito carente... mas muito mesmo!!! E o pior que não sei como suprir tal e tamanha carência que vivo... Não é uma carência simples, é algo profundo que venho percebendo agora adulto... "quase velho" - Uma carência que muitas vezes a gente acha que nunca irá nos fazer falta é a carência afetiva, de afetos... Tenho concluído que passei uma longa parte da vida sem afetos, sem demostração de carinhos,  caricias, abraços... e tenho percebido que minha atual carência seja disso, de sentir afeto, querido mas não somente por palavras, mas com atos concretos... não seria algo sexual e sim partilha de carinho, afeto, um abraço!! 
Notei que quando fui pra igreja, grupo de jovens algo que não deixava transparecer essa carência era que sempre estava rodeado de pessoas que careciam de um abraço, de uma conversa amiga, de estar próxima... e nunca tinha parado pra pensar que mesmo estar auxiliando alguém em suas carências eu estava me auxiliando suprindo minhas carências de afeto, talvez de uma forma errada, pois isso acabava gerando um apego e desencadeando outras situações, como muitas que vivi por demonstrar afeto, e as vezes pela falta acabar extrapolando e ser mal interpretado... quantas amizades não perdi por isso... por excesso de afeto, até porque muitas vezes nosso apego, nos leva a isso, a dar um afeto exagerado por medo de perder esse afeto recebido... como vivi isso!!
De uns anos pra cá, mais exatamente dois anos, eu deixei esse meu lado convívio igreja o que me fez estar e ficar isolado, pois as "amizades" que tinha era do convívio de igreja, e percebo que dentro da igreja temos grandes amigos, mas quando deixamos ou afastamos esses grandes amigos, se reduzem... 
Eu passei um ano quase extremamente sem amigos reais, vivendo uma solidão profunda... na verdade ainda vivo essa solidão, hoje mais por medo dessa carência me levar ao apego... Mas sinto uma falta tremenda de ter amigos reais, não virtuais... poder fazer coisas de gente normal, sentar e ter um "cadin de prosa", rir, trocar experiências, olhar no olho, sentir a pessoa, saber conhecer as expressões do outro... isso me faz muita falta...
Receio muito, devido minha condição sexual, como já fui muito condenado/criticado e mal interpretado, tenho medo de acontecer e "reacontecer" e não ter as mesmas forças que tive anos atrás que me condicionaram a prosseguir... hoje sei que o menor vento de situações que me trazem desconforto afetivo já é motivo de mudar direção, mudar foco etc.
Por falar nisso, um dos motivos de ter criado este blog foi pela ausência de com quem conversar minhas neuras, meus desabafos e minhas confissões...

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Quando a dor nos visitar...
O que faz doer nem sempre tem causa aparente. Dor é um acontecimento sem datas. Prolonga-se no tempo e contraria todas as regras dos argumentos . Eu não sei o que dói. Eu não sei quando começou doer. O que sei é que a dor é a identificação mais profunda da condição humana. Dela é que nasce a expressão do cuidado.
A dor sinaliza que algo precisa ser curado, que algo carece de presença, olhar atento e esforço redobrado. Dores são diversas. São físicas, emocionais, psíquicas. Dores de toda hora, de vez em quando, ao cair da tarde, com o chegar das primeiras estrelas ou com os primeiros raios de sol. Dores não conhecem o tempo. Chegam quando querem. Elas se acomodam nos cantos da alma, nos centros das carnes e ficam. Os que já sofreram muitas dores aprenderam a lidar com elas...
Elas amadurecem.
Meu amigo ‪#‎PadreLéo‬ tem experimentado muitas delas. Eu o vi travando uma luta ferrenha com essas visitantes estranhas. Os olhos brilhavam um pouco mais. O sorriso que lhe é tão próprio não se desfez em nenhum momento, mas apenas cedeu lugar para uma forma mais sublime de sorrir... Era a dor chegando com sua lousa e giz, pronta pra ensinar... Ele tem sabido aprender. Tenho orgulho do meu amigo e sei, que mais cedo ou mais tarde, eu receberei as lições desse aprendizado. Tenho sofrido com ele, mas de longe. Não posso ficar ao lado. Eu experimento a dor à distância. Experimento a dor que tem sido minha, e que de alguma forma é a dele também. Dores criam esquinas inesperadas.
Padre Fábio de Melo
Certas decisões que tomei me fizeram mais corajosa, me tornaram mais forte mediante a algumas situações e me fizeram ser mais "eu" diante de certas pessoas também. Fiz algumas mudanças em mim, fechei muitas portas escancaradas pela minha ingenuidade, pelo meu jeito bobo de confiar demais, e não permito que ninguém dê palpites em minha vida se não tiver uma bagagem de experiências, se não for para me ensinar alguma coisa, se não for para me ajudar a crescer sem se achar sábio o bastante para me dizer o que devo ou não fazer, se não for para acrescentar o melhor em mim. As vezes nos sujeitamos a tantos desaforos por nos sentirmos pequenos demais que menosprezamos a grandeza de Deus na vida gente, o melhor que Ele nos prepara todos os dias e o grande valor que temos pra Ele e não é bem assim que a banda toca quando a gente sonha, quando a gente quer realizar e conquistar seja la o que for. Humildade difere de humilhação, é ato nobre, é coisa de gente que sabe o que quer com simplicidade, que não ultrapassa limites, que não menospreza o outro, que não se acha a ultima bolacha do pacote, mas que luta com dignidade e honestidade sem se diminuir pelo que é ou pelo que tem. Seja humilde, não seja boba(o), conquiste o seu espaço, faça valer a pena cada desejo do seu coração, mas não se sinta inferior a ninguém nem tampouco incapaz ou impossibilitado(a) de conquistar. Seja você, que o que é pra ser em sua vida Deus faz acontecer, do jeito dEle, na hora dEle, e usa quem quer e como quer só para abençoar você ...Nascemos pra vencer.
Cecilia Sfalsin

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Fragilidade emocional é algo praticamente proibido para o universo masculino... Aliás a palavra fragilidade nos é proibida.... na infância, chorar ou mencionar dor (inclusive dor física), dúvida, fraqueza ou insegurança, seus "colegas" da escola diriam: " iiiii... agora ele é viadinho então..." E se a situação for dentro de casa seu pai provavelmente vai dizer: "Para de bichisse, isso não é coisa de homem..." 

E eu pergunto, o que é coisa de homem, cadê o manual do proprietário??? Quem viu a porra do livro por ai??? Parece que são essas tais regras primatas que vão realmente ditar o papel comportamental de um Ser humano???  

Machistas e Feministas, vão a merda! Vivamos de acordo com a realidade, isso sim é coisa de Homem e de Mulher também!Temos em mente também a nada fácil e insaciável projeção do universo feminino (o que ela espera de mim no papel de seu homem), é muito foda isso cara, nós homens nos sentimos na obrigação, e SOMOS COBRADOS a sermos companheiros, leais, amigos, sensíveis, bons ouvintes (porém sem perder a lógica dos fatos), ótima forma física e disposição (igual ao cara do comercial da margarina... esqueçam, aquele cara não existe no seu dia a dia, e se existir, ele também peida e tem seus medos...), temos que ser bons de cama (e isso eu entendo que é ter pau duro pra fazer elas gozarem o quanto elas quiserem, a noite toda se possível, porque temos que sustentar a condição de macho alfa sempre), as mulheres podem dizer que não, mas quando trepamos bastante, temos a sensação de sermos bons machos, com isso garanto minha fêmea e a liderança no bando, assim ela não vai querer outro macho(Medo e Insegurança). 

Talvez elas não saibam, mas nos projetam isso como linha de conduta quando escolhem seus homens (Padrões... "Homens, apenas me atendam eu quero assim..."), temos que ter um trabalho grandioso (vai entender o que é isso...), uma boa renda (quanto extress, envelhecimento, doenças e calvice isso nos custa??? - falo sobre a projeção), e depois de tudo temos que transmitir uma imagem de total controle, inteligência e segurança de qualquer situação.Muitas dizem: "Ser homem é fácil, eles não sabem oque é depilação e tpm...". Isso não é verdade, na sua maioria, quando não entende ou não sabe o que fazer, o homem percebe a inquietação e profundidade emocional feminina e se faz presente, acolhe, ou fica quieto (e isso é muito). 

Não fomos treinados, adestrados pra dar tantas respostas (que claramente não tem fim, ou ponto de satisfação), e sim pra resolver situações. Agora como que eu posso dormir e ter paz de espírito tendo a neurose de atender a tantos padrões de exigência??? Vivemos uma realidade complexa e cheio de sutilezas como disse o Fred. E eu sinto esse medo de perto, porquê já não me cabe mais a antiga postura do canalha/troglodita, ou nossos exemplos paternos, do cara que diz à esposa "Cala a boca, Eu que mando nessa porra...", ou "Eu que pago as contas, faz o teu que tá tudo certo, não te falta nada aqui..." (de novo Medo e Insegurança de perder a fêmea e a liderança do ninho).

Assim como não quero uma mulher que queira disputar comigo, e não tem nada haver com quem ganha mais ou menos... As mulheres vieram pra vida, buscam por sua autonomia e isso é fantástico, é uma vitória pela liberdade do ser humano. Mas com isso, elas foram ao outro extremo, da subjulgação a prepotência, muitas dizem até que não precisam de homens, " agente usa e joga fora" ou "a fila anda..." 

O que é isso... todo ser humano precisa de compania, precisa do sexo oposto pra trazer equilíbrio, satisfação, prazer, amor, ter uma troca mais profunda, significativa, comunhão, tesão... Me parece que a liberdade virou desculpa pra promiscuidade e vida superficial. 

Vocês tem o direito e devem sim de escolher seus parceiros, é mais que óbvio, mas agir assim como homens... eu pego, eu como... já tranzei com tantos... vocês querem despertar tesão em quem dessa forma??? Apenas nos seus iguais, porque Isso nos faz perder o interesse na Mulher (como pessoa), vc será apenas mais uma trepadinha, copinho de porra entende??? Eu não me ofendo, adoro uma boa trepada, mas isso satisfaz esse coração feminino também cheio de dúvidas e esperanças??? Seja honesta com você mesma, a essência feminina não é assim... Isso é apenas uma cópia escrota de uma sombra suja masculina!

Sim mulheres, nós pensamos e nos preocupamos com vocês, olhem com mais respeito para as fragilidades masculinas, porque isso é característica do Ser humano.

 Nós aqui tentamos de tudo pra que o relacionamento sejá o melhor possível  e para que seu olhar feminino, brilhante e sem fim, cada vez mais pareça um oceano de alegria pela vida... Isso é que nos move em direção a vocês, e não apenas o tamanho de seus deliciosos peitos...

Abraço, Rogério Loebel

Uma pessoa pode sentir-se sozinha quando está longe de suas pessoas queridas, quando não tem (ou pensa que não tem) amigos, pessoas que a entendam, lhe deem carinho, atenção, quando termina um relacionamento afetivo, perde um ente querido... São muitas as possibilidades que trazem o sentimento de solidão.

Mas, a pior solidão que alguém pode sentir é a de não ter a si, estar distante de seu interior, de sua verdade, não saber quem é. Quando não sabemos de verdade o que somos, o que queremos, nos sentimos perdidos e sozinhos. Ora, nem nós mesmos nos conhecemos, por conseguinte, não conseguimos saber ao certo o que somos e queremos, não somos companheiros de verdade da gente. Não agimos seguindo decisões e desejos autênticos, somos levados pela opinião dos outros, pela vida ou por valores que estão dentro de nós mas que aí se instalaram vindo de fora, com nossa permissão, claro, mesmo que inconsciente, mas não representam nosso eu verdadeiro.

Alguém nesse estado pode estar rodeado de gente que a ame, dê apoio, compreensão, mas mesmo assim estará se sentindo só, muito, desesperadamente até. Uma solidão que nada que vem de fora pode aplacar de verdade se algo não for feito pela própria pessoa que se sente solitária.

É muito ruim olharmos para dentro de nós e encontrarmos ideias confusas, valores duvidosos, falta de autoconfiança criada por mensagens incorporadas vida afora e pelo não conhecimento de nossa real identidade. Se eu não sei quem sou verdadeiramente, não me conheço, não sei me ajudar, me acompanhar, me amar.

Essa profunda solidão, da ausência do eu verdadeiro, provoca imensa instabilidade e dor. Muitos distúrbios afetivos podem daí advir, como a depressão, por exemplo. Quem passa ou passou por isso sabe como é duro viver nessa condição. E às vezes nem todo o apoio externo a suaviza.

O caminho para resolver essa solidão interior é voltar-se para dentro, cada um em seu tempo, de seu jeito, às vezes procurando a orientação de alguém habilitado, e tentar resgatar seu eu autêntico, suas vontades, preceitos, qualidades e aptidões que podem estar esquecidos lá no fundo, encobertos por toneladas de elementos errôneos, pensamentos exteriores de qualidade duvidosa e mensagens negativas que se permitiu que estacionassem no íntimo do ser.

Esse trabalho de autoconhecimento e redescoberta, de resgate do eu verdadeiro, nos aproxima mais de nós mesmos, de nossa verdade. Vamos nos achando de novo, percebendo o que temos feito que está ou não de acordo com o que realmente queremos e precisamos. Esse resgate, invariavelmente, faz com que reconheçamos nossas verdadeiras qualidades, limites também (e esses concluímos se podem e devem ser superados, quando e como). Vamos limpando o interior do que não é nosso e percebendo o que de bom temos, vamos reaprendendo a nos gostar.

Assim, começamos a nos nortear novamente na existência, mais seguros, mais senhores e companheiros de nós, mais centrados, com mais autorrespeito, autovalorização. Nos amando e conhecendo mais, sabendo pelo que queremos lutar sinceramente; temos para onde olhar quando procuramos respostas e referências: dentro da gente. Somos uma grande companhia e amizade para nós mesmos, não estamos mais sós. Quando tenho a mim, sinceramente, não me sinto só nem desorientado, Posso ficar confuso às vezes, mas sei como parar, refletir e encontrar o rumo novamente.

Não me sentindo mais só, com falta de mim, posso perceber melhor a vida (e aprender melhor com a leitura que faço dela), seus acontecimentos, as pessoas a meu lado e o que têm de bom a me oferecer. Fico cada vez mais aberto e firme, melhor para viver minha relação comigo e as relações interpessoais de todos os tipos (profissionais, familiares, afetivas, etc.). Fico cada vez mais distante da solidão.

(Marcus Facciollo)
(Portal da Psique)

terça-feira, 1 de setembro de 2015

E la vem setembro...
Agosto valeu muito pena, cada segundo dos dias valeu a pena sim, porque aprendi com os bons e os maus momentos, cresci por dentro, dei a volta por cima em muitas palhaçadas que enfrentei por ai, gargalhei por tantas coisas bobas que vivi, me surpreendi por tantos amigos e carinhos que recebi, então dizer que não valeu a pena seria demais de ingrato pra mim. Eu me continuo, estou de pé pro que der e vier, e feliz demais da conta por Deus me permitir começar um mês tão lindo e por poder agradecê-lo por tudo que ja venci até aqui. Que seja de flores , que seja de amores, que seja de essência, que seja de cores, que seja prospero, que seja de paz, que seja de amigos, que seja de saude, que seja SETEMBRO, que seja o que vier, mas que acima de tudo que seja muito abençoado por Deus e de muita fé ...
Seja bem vindo SETEMBRO, porque coisa bonita só acontece na vida de quem acredita, na vida de quem quer...