quarta-feira, 25 de maio de 2011

Abraço, eu quero um..

Um abraço... Sentir o nosso coração ao mesmo tempo que o de alguém a quem damos um abraço faz-nos de tal maneira bem à saúde, traz-nos uma tal paz, que até existe uma forma de tratamento chamada Terapia do Abraço. Um bom abraço ajuda-nos a sentir as muitas dimensões do amor: a facilidade para receber e dar, a sensibilidade para o sofrimento, a disponibilidade para a alegria de se divertir e a profundidade da ternura.
 Abraçar alguém é como dizer-lhe: "Olha, aqui estou para o que quiseres, de coração aberto para ti". O que implica aceitar ser rejeitado. Mal interpretado. Correr esse risco. No entanto, só se a atitude interior, o pano de fundo a partir do qual nos relacionamos com os outros, for de lhes estender os braços e de os tocar, poderemos descobrir o valor da partilha. Não são só as pessoas solitárias, infelizes, inseguras, que precisam ser abraçadas. Abraçar bem dá-nos saúde. Mas não se trata de abraços sociais, de conveniência, em que duas pessoas se tocam apenas por fora – portanto não se tocam -, nem de abraços de dois amantes apaixonados que um ao outro se agarram. São abraços que acontecem porque saem cá de dentro sem que os travemos.
Como expressão de um amor incondicional que nos habita – e de que não temos medo, porque o olhamos como algo que verdadeiramente nos liberta. A intimidade que um abraço sincero oferece é a da compreensão. Da atenção. Da solidariedade. Da amizade que existe para lá da exaltação dos sentidos, apenas por ter a consistência daquilo que brota do fundo de nós mesmos e que se mantém quer faça sol quer chova. Abraços são uma espécie de foguetes capazes de fazer despertar moribundos ou fazer levantar da cama preguiçosos. Explosões de vida.
Há quem goste de os dar para reafirmar um vínculo de amizade ou qualquer outro sentimento. E são uma das melhores festas gratuitas a que toda a gente tem acesso. São abraços do fundo do coração, frequentes entre duas pessoas que, por nada pedirem uma à outra, de cada vez que se encontram recebem sempre muito – e apenas por isso são levadas a celebrá-lo.
Quando um coração se abre para outro coração, há quase sempre uma qualquer maravilha que pode acontecer. Ou, quanto mais não seja, uma sensação de paz possível, neste mundo cheio de guerras em que vivemos.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Lindo...

Já faz um tempinho que queria escrever este post, mas tenho evitado entrar no assunto, mas hoje sobrou um tempinho, antes de ir pro recinto da festa da soja e trabalhar como camelo, montando a lousa digital e tambem arrumando o espaço, pois amanhã não será possivel, bom voltando né...
Há algumas semana passei por um episódio desconfortante pra alma, como sou muito amoroso com as pessoas a minha volta, cultivei a mania de chamar o próximo de lindo, sem conotaçao sexual alguma, simplesmente por carinho e acabou se tornando uma mania, tanto pessoalmente como pela internet. Ate segunda-feira passada, quando fui abordado por um amigo (AB) e na conversa com ele terminei dizendo: " por nada meu lindo" a pessoa rebatei no ato: "nada de lindo, zima" (ps.: zima meu apelido), ai questionei o porque de nao pode-lo chamar de lindo e que era apenas uma mania minha de chamar a TODOS de lindo, claro que olhando pelos olhos carnais o lindo faz jus a pessoa dele, mas em momento algum quis assedia-lo ou sei la o que tenha imaginado, com isso perguntou-me se era homossexual, o que respondi que sim e se tinha algum problema com isso, afirmou que nao e que já sabia há algum tempo, o que me deixou intrigado, perguntei se dava muito na cara, se tinha algum tipo de afetação, respondeu curtamente que não, que sou muito sigiloso, que simplesmente percebe isso nas pessoas, coisa que já estranhei, pois quem tem gaydar (radar gay), mas fiquei na minha quieto, apesar da inquietaçao no coração, pois sabia que atras dakilo tinha algo mais, mais que depressa ja disse  que teria de sair que estava ocupado, coisa que é mentira pois fica o dia todo on line na internet e tal, só que nao puxo conversa com ele nao, com isso a pessoa me bloqueoou no msn, excluiu  de vez da vida, e ultimamente, tenho o visto todas as segundas-feiras devido ao meu 2º emprego e ao emprego dele, essa semana por educaçao me cumprimentou, porem semana passada fez de conta que nao me viu, na rua entao...
Com isso, fiquei com esse questionamento na cabeça e fui perguntar a amigos heteros se chamar outra pessoa do mesmo sexo como lindo pega  mal e pra meu espanto disseram que sim e ainda falaram que as pessoas zuam tanto quem fala quanto quem é chamado... fiquei horrorizado com isso, tamanha ignorancia em que o mundo se encontra, as pessoas maldam do simples ato de ser sensivel, de nao achar o proximo de voce bonito, conversei abertamente com alguns amigos e resolvi que vou tentar nao chamar ninguem de lindo mais... Fiquei muito chateado com tudo isso, pois em nem um instante tinha tal ação como uma açao sexuada, porém algumas pessoas de pensamento limitado, acabam deixando se levar por ideias que a maioria faz sem ao menos questionar.
Cansei de gente assim, se eu nao posso ser o que sou eu vou ser o que??? Ah para hein... vou tomar uma pílula de machismo e deixar de lado o lindo... e chamar o proximo de véi, feio, viado entre outros modos em que as pessoas heteras costumam se tratar, mais propriamente os homens, pura ignorancia.

Bom é isso!!! Nao mais lindo!!!

domingo, 15 de maio de 2011

Só poderei me aproximar dos outros depois que começar a desvendar a mim mesmo. Antes de estender os braços, preciso saber o que há dentro desses braços, porque não quero dar somente o vazio. Também não quero me buscar nos outros, me amoldar ao que eles pensam, e no fim não saber distinguir o pensar deles do meu.
[Caio F.]

Quem procura não acha. É preciso estar distraído e não esperando absolutamente nada. Não há nada a ser esperado. Nem desesperado.
[Caio F.]


às vezes encontramos nesse universo bloguístico pessoas muito semelhantes a nós... esse Caio estou amando sem ao menos ter falado com ele uma palavra sequer... thanks... http://www.otarioanonimo.blogspot.com/


sexta-feira, 6 de maio de 2011

Sabor amargo...

Nao sei o que tem me afetado diretamente, mas sei que estou com sabor de fel... isso mesmo, estou muito amargo, nao consigo ver beleza nas coisas, uma insensibilidade paira na minha vida que nao sei de onde surgiu. Sei que nada está bom e agradável como ja foi um dia. Tento encontrar explicação em várias situações, mas nem uma consegue explicar ou fundamentar esse amargor que atinge o mais profunda da alma.
Ultimamente rir tem sido tao dificil, tao doloroso pois a cada sorriso que dou vem uma cobrança atras dele. Pessoas nos apunhalando constantemente e nao é nem pelas costas e de frente mesmo sem esconder a cara. Nao sei mais o que fazer, tenho orado mais, tenho silenciado mais, porem esse fel so aumenta a cada dia... e tenho medo disso ser um principio de depressividade novamente em minha vida. Estou lutando contra esse sentimento, essa amargura, esse fel, porem estou sendo sufocado por ele. Talvez possa ser a pressao que tenho recebido no trampo, ou a igreja, ou sei la... poderia ser tantas coisas e ao mesmo tempo nada.
Perdi minha sensibilidade emocional e nao sei onde eu acho ela... nao consigo ter pena, nao consigo chorar diante de situações que me sensibilizariam... as lagrimas kerem sair, mas nem isso tenho mais... nem lagrimas mais...  Sensibilidade, doçuras onde voces foram parar hein... sinto saudades...
As pessoas tem me achado estranho, grosseiro... e nao era assim, nunca fui assim... estou cansado de achismo, mas creio q tudo isso deva a tudo que passei e venho passando, chega uma hora que cansamos de ser os bonzinhos, abaixar a cabeça, sensibilizar-se com lagrimas de crocodilo e por ai vai... 
Mas quero voltar a ser doce... sensivel... alguem me ajuda?

Eu olho por esse lado...

 peço também que eles entendam o porquê disso e que, mais do que ofensa, considerem um chamado para lutar contra a injustiça. Sim, pois não importa de que religião você seja, se seu Deus apoia ou não a homossexualidade, se você concorda ou não com o ser gay: se duas pessoas adultas e capazes se unem, constroem patrimônio juntas, dividem amor e responsabilidade juntas, deixá-las DESAMPARADAS legalmente é, sob quaisquer perspectivas, injustiça. E até onde sei, é ela também um pecado - e Deus tampouco se compraz de injustos.

Avanço ou decadência

Limito me a nao pronunciar sobre o tema, porem é de grande espanto a qual toda comunidade brasileira chega ao deparar com esse processo, pois ate entao todos esperavam uma atitude mais preconceituosa, porem...
leiam, retirei do site http://gospelgay.blogspot.com/

O avanço dos direitos dos homossexuais será colocado à prova esta quarta-feira (4) à tarde no Supremo Tribunal Federal (STF). Os ministros avaliarão, pela primeira vez, se a união homoafetiva pode ser enquadrada no regime jurídico de união estável. O Tribunal também analisará se a união de pessoas do mesmo sexo pode ser considerada como entidade familiar. Caso a resposta a essas perguntas seja afirmativa, casais homossexuais de todo o país terão dezenas de direitos assegurados, entre eles à herança e à adoção.




Duas ações estão em pauta. A primeira, ajuizada em fevereiro de 2008, é do governador reeleito do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral. Ele pede que o Código Civil e que o Estatuto dos Servidores Civis do estado não façam qualquer discriminação entre casais heterossexuais e homossexuais no que diz respeito ao reconhecimento legal da união estável. A ação afirma que posicionamentos discriminatórios vão de encontro a princípios constitucionais como o direito à igualdade e à liberdade e o princípio da dignidade da pessoa humana.



A ação também alega que a situação atual, com sentenças conflitantes no estado e em todo o país, contraria o princípio constitucional da segurança jurídica. O governador afirma ter interesse na ação porque no estado existe grande número de servidores que são parte em uniões homoafetivas estáveis.



“Diante disso, colocam-se para o governador e para a administração pública questões relevantes relativas às normas sobre licenças por motivo de doença de pessoa da família ou para acompanhamento de cônjuge, bem como sobre Previdência e assistência social”, diz a ação. O governador também afirma que como há numerosos casais homossexuais no Rio, se vê na obrigação de pleitear o direito de parcela dos cidadãos do estado.



A outra ação em análise, da Procuradoria-Geral da República, foi ajuizada em julho de 2009. O pedido é semelhante: que o STF declare obrigatório o reconhecimento, no Brasil, da união de pessoas do mesmo sexo como entidade familiar. Também pede que os mesmos direitos dos casais heterossexuais sejam estendidos aos casais homossexuais.



O processo, de 322 páginas, tramitava sob responsabilidade da ministra Ellen Gracie até março deste ano, quando foi redistribuída para Ayres Britto por tratar de tema semelhante ao que já estava sendo analisado pelo ministro. Além da procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Ela de Castilho, o documento também é assinado por diversas instituições que militam em favor dos direitos dos homossexuais.



Dia 05 de Maio de 2011, um dia histórico para a comunidade gay no Brasil. Um dia em que a razão, o bom senso, o escrúpulo, a vergonha, a honra e a dignidade foram proclamados como agentes componentes e constituidores das relações homoafetivas. Um dia em que o rancor, o ódio e o desprezo foram silenciados no Supremo Tribunal Federal por unanimidade. Fato deste rancor é o bate-bocas entre Silas Malafaia e Ana Paula Valadão pelo TWITTER, por conta da votação dos ministros no STF.




Silas, mercenário, queria impor o medo sobre os ministros convocando o povo e as “celebridades evangélicas” a se manifestarem na rede virtual contra a votação favorável à união homoafetiva.



Silas Malafaia é pior do que um drogado; é tão vil quanto o mais cruel dos assassinos, e seu ódio não tem limites. Ele é capaz de disparar contra os próprios aliados, quando se vê frustrado em suas pretensões. Silas é um sociopata com linguagem religiosa. E desta forma ele disparou: “ Obrigado pela omissão de vcs em não rtt p/ conclamar o povo de Deus a pressionar os ministros do STF num assunto q é fundamental q favorece os homossexuais. Se twitter é para mostrar agenda e fotos, é melhor acabar pq não presta pra nada.”



Quando Ana Paula revidou, num argumento típico, beirando a boçalidade evangélica brasileira, Silas jogou a pá de cal: “Qdo é pra defender seu nome, responde rapidamente. Qdo é pra defender o Reino de Deus, diz q ta viajando."



O caso do Silas é de uma interdição urgente, ele não é normal. E na vitória em Cristo dos gays ele chorou, esperneou, brigou, vociferou, explodiu em ódio inútil contra aquilo que é insuperável, e agora incontestável: O LEGÍTIMO DIREITO DOS GAYS AO RECONHECIMENTO DE SUAS RELAÇÕES COMO ENTIDADE FAMILIAR.



Assim a celebre frase do Ministro Ayres Britto merece destaque: “O órgão sexual é um plus; um bônus; um regalo da natureza. Não é um ônus; um peso; nem estorvo, menos ainda uma reprimenda dos deuses” (Ayres Britto Ministro do STF)



Desta feita, em resumo foi dito que: A família é uma construção cultural, onde a afetividade por outrem do mesmo sexo compõe a individualidade da pessoa de modo que se torna impossível, sem destruir o ser, exigir o contrário, e assim o Estado existe para auxiliar os indivíduos nos respectivos projetos individuais de vida.



Destarte a plena realização da liberdade, da igualdade e da não discriminação é que marcará o país. Pois, Uma sociedade decente é uma sociedade que não humilha seus integrantes, laica e que combate posturas preconceituosas ou discriminatórias, pois geram grandes injustiças.



Assim, hoje foi a vitória UNANIME dos gays contra o rancor laborioso do Silas que já argumenta na insanidade de seu ódio.